Jornal do Brasil

Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

Cultura

Museu Nacional de Belas Artes recebe importante acervo de gravuras do Itaú Cultural

Rembrandt, Goya, Toulouse-Lautrec, Manet e Delacroix estão entre artistas da mostra

Jornal do Brasil

A partir de 26 de outubro (quinta-feira), o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (MNBA) recebe a exposição Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras da Coleção Itaú Cultural. Com curadoria de Marcos Moraes, a mostra mapeia cinco séculos da produção gráfica europeia, com mais de 140 das 451 imagens impressas que compõem este acervo. São apresentadas, de forma didática, as diferentes técnicas de gravuras dos séculos XV a XIX. Imagens Impressas já passou por Santos, Curitiba e Fortaleza, e fica em cartaz no Rio de Janeiro até o dia 18 de fevereiro de 2018. No ano que vem, a mostra passará por mais três cidades do Brasil.

O curador observa que a imagem impressa acompanha a humanidade desde os seus primórdios, e podemos remontar essa trajetória às mãos marcadas, por meio de pigmentos, nas paredes de grutas e cavernas. De acordo com Moraes, as xilogravuras produzidas a partir do século XV tiveram suas técnicas aprimoradas, incorporando inovações e desenvolvendo a linguagem gráfica. Por esse caminho, no século XIX a gravura chega à autonomia. Para abordar esse meio de criação é preciso, portanto, delimitar um escopo.

“Trata-se de um recorte representativo, pela diversidade de técnicas, temas e destinações das gravuras. Esta seleção nos permite pensar na linguagem gráfica e em outros caminhos de leitura e interesse ao longo desse fascinante empreendimento que foi a produção de imagens impressas”, afirma o curador.  A mostra propõe, assim, um percurso histórico pelas gravuras do Itaú Cultural, e se inscreve nas ações promovidas pelo instituto para garantir o acesso ao Acervo de Obras de Arte do Itaú Unibanco, que hoje conta com mais de 15 mil itens.

Entre os destaques de Imagens Impressas estão obras do artista e caricaturista francês Honoré-Victorien Daumier, como Quelle heurese rencontre! – Les Amis (ca.1840), Mais pis que (s.d.), C’est bien parce (s.d.), Um ami est – Les Amis (ca. 1840), J’offrirai à monsieur (s.d.). Dele, há também o original de uma charge publicada no jornal Le Charivari, um dos principais veículos franceses no período. Chama a atenção, ainda, uma série de trabalhos de artistas mais conhecidos como pintores, como Edouard Manet, Eugène Delacroix, Francisco Goya, Henri de Toulouse-Lautrec e Rembrandt van Rijn.  A gravura mais antiga em exibição na mostra é Cristo Carregando Cruz, feita em 1475 por Martin Schongauer, um dos primeiros gravuristas de que se tem notícia. Vale ressaltar as ilustrações realizadas por Gustave Doré, no século XIX, para o livro A Divina Comédia, de Dante Alighieri.

Sobre o curador

Doutor em Arquitetura e Urbanismo (2009), graduado em Direito (1979) e Artes Cênicas (1987), com especialização em Arte Educação e Museu, todos pela Universidade de São Paulo (Usp). Atualmente é coordenador dos cursos de bacharelado e licenciatura em Artes Visuais, bem como dos Programas Internacionais de Residência Artística (Cité des Arts e Residência Artística FAAP), ambos da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), onde também é docente (graduação e pós graduação) em História da Arte, Desenvolvimento de Projeto Integrado e é responsável pelos Seminários de Investigação Contemporânea, além de curador do Programa de exposição dos bacharelados em artes visuais, e das salas especiais com artistas convidados da Anual de Arte FAAP. Integra o Conselho de Aquisição do MAB FAAP e o Conselho Consultivo do MAM de São Paulo.

Sobre o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (MNBA)

Situado no centro histórico do Rio de Janeiro, em edifício de arquitetura eclética, projetado em 1908 pelo arquiteto Adolfo Morales de los Rios para sediar a Escola Nacional de Belas Artes, herdeira da Academia Imperial de Belas Artes, o Museu Nacional de Belas Artes/Ibram/MinC foi construído durante as modernizações urbanísticas realizadas pelo prefeito Pereira Passos na então Capital Federal.Criado oficialmente em 1937 pelo decreto do presidente Getúlio Vargas, ocupa uma área de 18.000 m² e é o mais importante museu de arte do país. Reúne um acervo de setenta mil itens entre pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, objetos, documentos e livros, constituindo-se num centro irradiador de conhecimento e divulgação da arte brasileira.

A bicentenária Coleção do Museu Nacional de Belas Artes se originou de três conjuntos de obras distintos: as pinturas trazidas por Joaquim Lebreton, chefe da Missão Artística Francesa, que chegou ao Rio de Janeiro, em 1816; os trabalhos pertencentes ou aqui produzidos pelos membros da Missão, entre os quais se destacam Nicolas-Antoine Taunay, Jean-Batiste Debret, Grandjean de Montigny, Charles Pradier e os irmãos Ferrez; e as peças da Coleção D. João VI, deixadas por este no Brasil, ao retornar a Portugal, em 1821.

Coleção Itaú: acervo para todos os brasileiros

O Itaú conta com uma das maiores coleções corporativas de arte do mundo. Com mais de 15 mil peças, é constituída com recursos próprios, sem uso da Lei Rouanet. Para garantir o acesso do público, o Itaú Cultural realiza mostras gratuitas em sua sede e pelo país e exterior. Já realizou mais de 60 exposições vistas por mais de 1,7 milhão de pessoas de mais vinte cidades do Brasil e em seis países, como Argentina e França. Parte da coleção está abrigada no Espaço Olavo Setúbal, no instituto, em exposição permanente da Coleção Brasiliana, que reúne preciosidades das artes brasileiras desde o descobrimento.

O Museu Nacional fica na Avenida Rio Branco, 199, Centro (Cinelândia) e a exposição vai até o dia 18 de fevereiro de 2018, de terça- a sexta-feira (das 10h às 18h) e sábados, domingos e feriados (das 13h às 18h). Ingressos: R$ 8 inteira, R$ 4 meia e ingresso família (para até quatro membros de uma mesma família) R$ 8 e Grátis aos domingos.

Tags: arte, artistas, cultura, exposição, gravura, rio de janeiro

Compartilhe: