Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Cultura

'Le Monde': Brasil resgata George Orwell à luz da "pós-verdade"

Jornal compara best-seller 'A revolução dos bichos' com cenário político atual do país

Jornal do Brasil

Matéria publicada na revista semanal do jornal francês Le Monde conta que os brasileiros estão descobrindo e se encantando com o best-seller "La Ferme des animaux", de George Orwell, que trata de uma revolução de animais contra um líder tirânico. Eles se revoltaram contra seu dono e buscaram a liberdade. 

Le Monde analisa que um ano depois do polêmico impeachment da presidente Dilma Rousseff, os brasileiros testemunharam, muitas vezes envergonhados, o espetáculo grotesco de sua classe política. 

A elite empresarial e política entrou em pânico com as investigações anticorrupção. Sabendo que todo espectro político é alvo, o enredo às vezes é atribuído à esquerda, às vezes à direita, tornando o argumento uma espécie de "verdade orwelliana".

É, sem dúvida, e, acima de tudo, o profundo desapontamento de uma parte do país, depois da esperança criada pela eleição de Lula em 2003, que refletiu a (re) leitura de "La Ferme des animaux". Depois de colocar o "pai dos pobres" no poder e tendo ele sido responsável por um redução dramática na pobreza, o país retorna aos seus demônios: crise econômica, violência extrema e a arrogância dos bem-nascidos, afirma Le Monde.

Esta é a "ressaca", diz Manuel da Costa Pinto, crítico literário. 

O texto faz um paralelo entre a revolta dos bicos e a busca pela democracia
O texto faz um paralelo entre a revolta dos bicos e a busca pela democracia

"Alguns brasileiros sentem que o futuro imaginário de Orwell é nosso presente", observa. De acordo com suas afinidades políticas, o leitor poderá assim ver na obra do escritor a alegoria da traição de uma esquerda perplexa pelo poder que teria gradualmente renunciado aos seus ideais. Ou encontrar o seu "Napoleão" no atual chefe de Estado, Michel Temer, ontem aliado de Dilma Rousseff, tornou-se, após o impeachment, o maestro de uma política ultraconservadora acusada de servir os interesses dos privilegiados.

Monde compara o conteúdo do livro com o que se vive atualmente na política do maior país da América Latina. O texto faz um paralelo entre a revolução dos bicos e a busca pela democracia.

No Brasil, um país onde as riquezas vivem lado a lado com extrema pobreza, a frase de Napoleão, um porco tirânico do livro de George Orwell, está ecoando como se fosse hoje. O clássico, lançado em 1945, é agora um dos best-sellers do país. Com 47 mil cópias vendidas desde o início do ano (20% a mais do que em 2016), a novela, intitulada no Brasil A revolução dos bichos (revolta animal), é nona no ranking anual Publishnews , uma empresa que monitora o ranking da literatura dos best-sellers.

O noticiário aponta que geralmente confinado às listas escolares, o relato alegórico do levante de animais de fazenda contra a exploração dos seres humanos, uma sátira da Revolução Russa e do regime soviético, cria um estranho deslumbramento no Brasil. 

De acordo com Otávio Marques da Costa, diretor editorial da Publishnews, o fenômeno está vinculado a um evento externo, a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos. Na era da "pós-verdade", em que as equipes de comunicação do presidente dos EUA parecem nos metralhar com informações controversas, o planeta redescobriu os distópicos de Orwell. O Brasil, fascinado pelo primeiro poder mundial, não escapou da paixão. 

>> Le Monde

Tags: banda, cantor, cultura, filme, free, literatura, música, teatro

Compartilhe: