Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

Cultura

Museu da República apresenta duas novas exposições, a partir de 26 de agosto

Jornal do Brasil

O Museu da República, no Catete, apresenta duas novas exposições com curadoria de Isabel Sanson Portella. A partir de 26 de agosto, o público pode conferiros  trabalhos de João Magalhães e Jozias Benedicto, na Galeria do Lago e no Coreto, respectivamente.

Após um hiato de sete anos sem expor individualmente, João Magalhães lança seu olhar questionador com a exposição Pinturas, ocupando a Galeria do Lago.

O preto, branco e cinza roubam a cena em composições mínimas que dialogam sempre com o vazio e os limites do suporte. Nas telas, João deixa impreterivelmente os vestígios de suas pinceladas, tentando sempre situar-se num momento anterior, no como esse objeto pode constituir-se em pintura.

João Magalhães apresenta pinturas na Galeria do Lago
João Magalhães apresenta pinturas na Galeria do Lago

"Diante das obras apresentadas por João Magalhães, o nosso pensamento sai em busca das questões suscitadas pelo artista. O que é pintura? O que pode ser pintura?” propõe Isabel Sanson Portella, curadora.

Para João Magalhães, a visualidade final não é o resultado da procura da melhor forma, mas sim apenas um meio para responder a solicitações e propor questões cuja execução tende a ser imediata e, sempre que possível, algo displicente. O seu interesse é pelo acaso, pelo fortuito. Nas palavras do artista, “mais do que a investigação das possibilidades que um determinado pensamento sobre pintura poderia gerar, a imagem constituída é produto da curiosidade, da experimentação, da necessidade de me surpreender. Gostaria que minha pintura se desse como uma tentativa de atravessar a linguagem, de não ter linguagem”.

Croqui de Jozias Benedicto na exposição ',Mesmo' no Coreto
Croqui de Jozias Benedicto na exposição ',Mesmo' no Coreto

Jozias Benedicto pensou em ',Mesmo' como uma performance site-specific para o Coreto, nos jardins do Palácio do Catete. No dia 26 de agosto, a atriz Dalila Duarte encarna o papel de noiva, fazendo sua marcha pela aleia que vai até o Chafariz, no caminho principal.  “Na maioria dos ritos de passagem a água tem papel relevante, e no casamento pode ser entendida como uma purificação, uma lavagem e preparo para um novo momento da vida”, explica o artista, colocando a figura da noiva de branco no centro das atenções. Muda, ela interage com os espectadores silenciosamente enquanto seu véu de 30 metros penetra numa máquina de escrever, tal qual papel em branco. Aos poucos, vai sendo arrastada para dentro da máquina onde o artista escreve seu texto, indiferente ao que acontece. Quando o véu já está quase todo escrito, a noiva é finalmente “libertada” pelo FIM.

“Tendo Marcel Duchamp, um dos precursores da arte conceitual, como referência, sua obra ‘O grande vidro’ ou ‘A noiva despida pelos seus celibatários, mesmo’ – que inspirou o nome da intervenção -, Jozias Benedicto faz sua própria leitura, resultando numa performance bastante reflexiva”, afirma Isabel Portella.

Como resíduos da performance, permanecerão no Coreto a máquina de escrever e o vestido da noiva com o texto datilografado no véu de 30 metros de comprimento. Um vídeo em loop, acompanhado pelo som das caixas acústicas, exibirá o registro. ,Mesmo é uma das propostas do artista para um ciclo de performances denominado Escrita automática que explora questões como o papel do autor, da memória, os textos e a escrita. Jozias Benedicto, que tem uma relação bastante íntima com a literatura, sente-se bem à vontade para conduzir o espectador nessa jornada que perpassa a arte e o escrever.

Serviço: Exposições de João Magalhães e Jozias Benedicto

Curadoria: Isabel Sanson Portella 

Temporada: de 26 de agosto a 29 de outubro. De terça a sexta das 10h às 12h e das 13h às 17h. Sábados, domingos e feriados das 13h às 18h

Local: Museu da República - Rua do Catete, 153, Catete, Rio de Janeiro

Entrada franca

Classificação indicativa: Livre

Mais informações: (21)2127-0334

Tags: arte conceitual, casamento, coreto, exposição, galeria do lago, isabel sanson portella, pintura

Compartilhe: