Jornal do Brasil

Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Cultura

Mostra Internacional de Teatro leva espetáculos de seis países a São Paulo

Agência Brasil

Segue até esta terça-feira (21), na capital paulista, a quarta edição da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp). O evento, que teve início no dia 14, apresenta dez espetáculos de seis países: África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, Chile e Líbano. Os ingressos para as peças custam R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira) e as atividades de formação e reflexão são gratuitas.

A organização destaca que, desde a primeira edição (2014), a mostra privilegia a experimentação e a investigação em artes cênicas. 

“Não é só teatro em si, ou o que a gente entende a priori como teatro, mas um teatro que trabalha com artes plásticas, com cinema, que trabalha com dança, com música, documentário. A própria cena contemporânea traz essa hibridez que expande a ideia de teatro”, explica Andreia Duarte, coordenadora do eixo reflexivo e pedagógico da mostra.

Nesta edição, o libanês Rabih Mroué ganhou uma mostra especial com a apresentação de três espetáculos: Revolução em Pixels, Tão Pouco Tempo e Cavalgando Nuvens. “O ator, dramaturgo e artista visual nascido em Beirute se apropria do contexto de conflito e de guerra no Oriente Médio desconstruindo narrativas e imagens”, destaca a curadoria.

As montagens ocupam vários espaços da cidade: Auditório do Ibirapuera, Itaú Cultural, Sesc Vila Mariana, Sesc Pinheiros, Sesc Belenzinho, Teatro João Caetano, Centro Cultural São Paulo (CCSP) e Theatro Municipal de São Paulo.

Racismo em dabate

A atual conjuntura do país é um tema que perpassa os eixos da direção artística do evento. Um desses temas é a questão “da negritude, do racismo, do protagonismo negro e do empoderamento”. Pelo menos três espetáculos abordam o tema, "Branco: o cheiro do lírio e do formol"; "A Missão em Fragmentos: 12 cenas de descolonização em legítima defesa"; e "Black Off".

Nesse sentido, a MITsp promove também o seminário “Discursos sobre o Não Dito: racismo e a descolonização do pensamento”. Entre os convidados, estão a intelectual sul-africana Nicky Falkof, da Universidade de Witwatersrand (Joanesburgo); a historiadora Giovana Xavier; a socióloga norte-americana Patricia Collins; e a filósofa Djamila Ribeiro. O seminário ocorre segunda e terça (20 e 21).

Tags: Racismo, agenda, descolonização, djamila ribeiro, espetáculo, guerra, programação, seminário

Compartilhe: