Jornal do Brasil

Domingo, 17 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Megaevento no Ibirapuera une jovens de 17 países parapromover diálogo entre os povos 

Evento será nos dias 27 e 28, no Auditório Ibirapuera, e faz parte do 14º IFLC

Jornal do Brasil

Música, dança, vídeo. A linguagem universal da arte como fio condutor da integração entre jovens de diversas nacionalidades, independente de questões sociais, políticas, raciais ou religiosas.  Sob o comando de Zeca Camargo e Marina Person, 88 adolescentes do Brasil, Estados Unidos, Filipinas, México, Paraguai, Iraque, África do Sul, Portugal, Moçambique, Argentina, Índia, Marrocos, Alemanha, Ucrânia, Geórgia e Cazaquistão se apresentarão no Auditório Ibirapuera, nos dias 27 e 28 de fevereiro para cantar e dançar a paz! Todos os jovens têm idades que variam entre 11 e 18 anos.

O evento faz parte do 14º Festival Internacional de Língua e Cultura, que acontece anualmente em mais de 25 países e, este ano, tem o Brasil como sede de uma das edições.  Entre os participantes brasileiros, destacam-se seis adolescentes que participarão das apresentações no Ibirapuera e também irão representar o Brasil em edições do evento na Austrália, Índia, Estados Unidos, Moçambique, Rússia e Filipinas.

Todos os selecionados moram em São Paulo, são estudantes das redes pública e privada e têm ligação com a música e a dança desde muito jovens. Alunos do Núcleo Luz (Fábricas de Cultura, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo) e meninos percursionistas do grupo Guaçatom (Associação Criança Feliz), completam o time de brasileiros no espetáculo.

A exemplo das edições anteriores do IFLC, o evento no Brasil contará com apresentações de música e dança que expressam a identidade de cada uma das nações participantes. "Aquarela do Brasil", de Ary Barroso, é a música brasileira do festival. O espetáculo, dirigido por Alper Oflaz – responsável pela direção geral de música em todos os países-sede – terá aproximadamente duas horas de duração.  A primeira edição do IFLC ocorreu na Turquia, em 2003, com 17 países participantes; no ano passado, a 13ª edição foi realizada em 20 países, com participação de jovens estudantes de 145 nações.

Os jovens do Brasil

Mikaela Akeme da Silva, 11 anos. Nasceu em São Paulo, assim como seus pais (mãe professora; pai, servidor público). Estuda no Centro Educacional de Diadema e adora música e dança. Aluna da Escola de Música do Theatro Municipal de São Paulo, irá representar o Brasil na Austrália. Para Mikaela, cuja indicação foi feita pela regente da Escola de Música, “participar do Festival é um sonho”. Ela define o evento como “um momento único de convivência com outras culturas”.  Deseja dar boas-vindas aos participantes estrangeiros que se apresentarão no espetáculo em São Paulo e espera ouvir “seja bem-vinda” quando chegar à Austrália, além de elogios ao Brasil.

Ricardo Nogueira, 13 anos. Faz parte do Coral Guelinhas, da escola Johann Gauss, desde os oito anos. Incentivado pela professora Rosana Araújo, pegou gosto pelo canto e já participou de dois musicais, diversas apresentações do Coral e até anúncio publicitário. Paulista, filho de mãe artesã e pai empresário, Ricardo será o solista brasileiro na África do Sul. Indagado sobre como se sente representando o Brasil no exterior, ele afirma: “É muita confiança depositada em mim. Vou representar 200 milhões de pessoas!”. Sobre sua participação no show em São Paulo, diz: “Aqui estou em casa”.

Lucas Santana Pereira, 15 anos.  Nasceu em São Paulo e estuda no Colégio Belo Futuro Internacional e começou a se interessar por música com os pais, que cantam na igreja. Destaca que possui um gosto musical diversificado e representará o Brasil no evento de Moçambique. “Será ótimo conhecer um novo país, uma nova cultura, fazer amigos, ter acesso a diversas línguas, uma viagem que será lembrada sempre”, diz Lucas, ao ressaltar que também será muito gratificante cantar aqui no Brasil. “As músicas relatam a união entre pessoas da mesma pátria e a mistura entre culturas, raças etnias em amor, mostrando a paz que se pode alcançar entre esses povos”.

Sofia Magalhães, 13 anos. Faz parte do Coro Infantil da OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo) há seis anos. Filha de ex-cantora lírica e engenheiro, nasceu no Rio de Janeiro, estuda na Escola Viva e sempre contou com o apoio da mãe, que a incentivou a participar de aulas de canto e ballet. A indicação para fazer os testes do Festival veio de sua primeira professora de música. “Dei o melhor de mim e estou muito orgulhosa pela oportunidade de participar desse evento tão grandioso. Me sinto feliz, vou poder mostrar um pouco do meu país para o mundo”. Sofia representará o Brasil na índia.

Maria Teresa Cordeiro do Rego, 16 anos. Paulista, filha de fonoaudióloga e advogado, estuda na Colégio Belo Futuro Internacional. Se interessa por música desde os cinco anos, quando começou a frequentar a Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA). Essa a é a segunda vez que participa do Festival; no ano passado, representou o Brasil em Moçambique, onde fez grandes amigos. “Tenho uma amiga portuguesa com quem falo todos os dias”, conta. “Esse evento é uma maravilha, mudou a minha vida e minha visão de mundo”, conclui. Maria Teresa é a solista brasileira nos Estados Unidos.

Serviço

14º Festival Internacional de Língua & Cultura

iflc.brasilturquia.com.br 

Onde: Auditório  Ibirapuera, São Paulo – (11) 3629-1076

Quando: 27 e 28 de fevereiro (27 abertura, autoridades e público. 28 público)

Horário: 27 às 20 horas; dia 28 às 19 horas

Ingressos:  distribuídos gratuitamente 1h30 antes do evento

Realização: Centro Cultural Brasil-Turquia



Tags: cultura, diferenças, evento, ibira, jovens, países, povos, sampa

Compartilhe: