Jornal do Brasil

Sábado, 24 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Projeto de transformação da obra de autores clássicos enfrenta resistência

Proposta de facilitar texto de Machado de Assis e José de Alencar recebe fortes críticas na Academia

Jornal do BrasilAna Luiza Albuquerque*

O anúncio do lançamento de versões adaptadas das obras "O Alienista", de Machado de Assis, e de "A Pata da Gazela", de José de Alencar, pela escritora Patricia Secco, gerou inúmeras críticas entre leitores e no meio acadêmico. O objetivo de Secco é tornar os livros mais acessíveis e, assim, conquistar mais leitores para estes autores, principalmente entre os jovens. Para isso, a escritora trocou palavras mais "rebuscadas" por outras mais simples e alterou a construção de frases. Serão publicados 300 mil exemplares de "O Alienista" em junho.

"Não é produtivo. Há outras formas de aproximar o aluno de um autor tão forte como Machado de Assis, por exemplo. Se há palavras difíceis, por que não produzir uma edição com notas de rodapé ou vocabulário ao final? É melhor dar ferramentas para ele entender o texto do que alterar as palavras, é preciso encontrar métodos para chegar ao aluno e fazer uma seleção adequada dos textos", esclarece Maria Rosa Sekiguchi, professora de literatura da PUC-SP. 

Flávia Amparo, professora de Literatura Portuguesa na UFF e de Língua Portuguesa e Literatura no Colégio Pedro II, também discorda da proposta. "A obra do Machado de Assis em si, já é bastante acessível. Não haveria a necessidade de transformar em uma linguagem facilitada, até porque, pela experiência que temos de aplicar a obra em sala, percebemos uma boa recepção por parte dos alunos. Um bom professor abre caminhos para os alunos, é o mediador entre o texto antigo e o texto moderno. Ele precisa ter bom senso para fazer uma boa escolha da obra que pode trabalhar com o aluno. Machado tem poemas, contos, romances e peças de teatro: é um farto material. Dá para trabalhar desde as séries iniciais até a pós-graduação por causa disso", explica. 

Machado de Assis
Machado de Assis

Ela também chama a atenção para a tendência de facilitar a linguagem e possíveis consequências. "Com a adaptação, precisamos saber o que se perde, já que aquele não é mais o texto do autor, é uma releitura de outra pessoa. Daqui a pouco, estaremos lendo versões de outros autores e não tendo contato com a obra original. A facilitação da linguagem promove esse risco. É importante para o leitor inicial que ele possa ter contato com o texto e julgar como absorver da melhor forma aquela obra", finaliza.

A Academia Brasileira de Letras (ABL), por sua vez, já se manifestou contra a ação. "A ABL considera que o texto assinado pelo autor é inviolável e, como tal, deve ser preservado”, defende a entidade.

O incentivo governamental ao projeto de Patricia Secco se deu pela Lei Rouanet, por meio da qual o proponente apresenta uma proposta cultural ao Ministério da Cultura (MinC) e, caso seja aprovada, é autorizado a captar recursos junto às pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR) ou empresas tributadas com base no lucro real para a execução do projeto, segundo o site do Minc. "O apoio a um determinado projeto pode ser revertido no total ou em parte para o investidor do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária. Para empresas, até 4% do imposto devido; para pessoas físicas, até 6% do imposto devido", informa a página.

De acordo com a assessoria do Ministério da Cultura, Secco conseguiu captar R$ 1.039.000. Até o fechamento da matéria, a assessoria não havia respondido sobre o valor dos impostos que as empresas incentivadoras do projeto deixarão de reverter ao governo. Também não foi informado quais companhias foram estas, os critérios para a aprovação das propostas na Lei Rouanet, nem os responsáveis por julgar estes critérios. A escritora não desejou participar da reportagem.

*Programa de Estágio Jornal do Brasil

Tags: linguagem, machado, obra, projeto, rouanet, transformação

Compartilhe: