Jornal do Brasil

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Cultura

Rap está mais social e menos voltado para o ataque ao governo, diz artista

Agência Brasil

Na opinião de Antônio Marcos Araújo, o Marquinhos do grupo Tropa de Elite, o rap atual é social e não tem como foco principal o ataque político ao governo. "Quem governa somos nós. Se nos juntarmos, somos fortes. Sozinho não se faz revolução", diz. Com 30 anos de carreira, Marquinhos é um dos organizadores da  primeira Expo Hip Hop do Brasil, que acontece desde sexta-feira (30), em Ceilândia (DF).

O evento termina hoje com a apresentação de Gabriel Pensador. Ceilândia é tida com protagonista nacional na cena do hip hop e a banda de Marquinhos foi uma das que saiu da cidade e ganhou projeção no país.

hip hop, que inclui o rap, a discotecagem, o grafite e o break, "é uma revolução da comunidade, está sempre em movimento", diz Marquinhos. Há 20 anos, explica, o foco principal era o governo. "Hoje, é mais social e atualizado. Ou acompanha a revolução, ou para. Chegou a internet, temos meios mais eficientes de melhorar".

As letras expõem injustiças sociais. Falam também de amor e espiritualidade. O rap gospel tem ganhado espaço no hip hop, "mas não as igrejas", ressalta Marquinhos.

Também presente no evento, Roberto Barbosa da Silva, o Beto SDR, do grupo Sobrevivente de Rua define o rap: "Ritmo, arte e poesia ou revolução através das palavras, é confrontar e conquistar espaço. O rap fala com as populações de periferia".O tema tratado no trecho preferido de Rebeca Realleza, backing vocal da Sobrevivente de Rua, é o racismo. "Tentam me provocar, com o racismo me agredir. Não conseguem, pois eu sou negro sim", diz a letra do grupo PR 15.

"O hip hop me tirou de muita coisa. Entrei para o grupo com 13 anos. Nessa época, os colegas da escola começaram a usar drogas, a ir por esses caminhos. Eu estaria usando drogas ou teria engravidado, como a maioria das minhas amigas", diz Realleza.

O evento reúne músicos do Brasil e de outros países como o Haiti. Apresentou-se também Bro Mc's, grupo de rap indígena do Mato Grosso do Sul, que apresenta rimas no idioma guarani.

Tags: bro mc1s, discotecagem, hip hop, Marquinhos, música, rap

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.