Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Cultura

'Gritos surdos', de Miguel Rio Branco, na Casa França-Brasil

Jornal do Brasil

Uma instalação com quatro projeções de imagens que transitam pelas temáticas de violência e poder, trabalhada simultaneamente sobre quatro telas de voil, com áudios diferentes, constitui o núcleo central da mostra Gritos surdos, de Miguel Rio Branco, que ocupará a Casa França-Brasil – espaço da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro - a partir de 25 de março. A exposição reúne instalações realizadas pelo artista no início da década de 2000, que nunca foram exibidas no Rio de Janeiro. 

Além da obra que estará na nave central da Casa França-Brasil, uma das salas laterais exibirá uma projeção com imagem fixa e áudio. A outra vai mostrar um “site specific” em neon‚ no qual vários vidros de pára-brisas de automóveis, acidentados ou baleados, refletem luzes fluorescentes que piscam de modo intermitente, perfiladas por linhas de neon vermelho, com fotografias cibachrome.

"Como artista, trabalhei em cima de imagens fotográficas‚ do cinema digital‚ das luzes de neon e da poética que as artes plásticas me oferecem. Tudo se transforma no resultado da minha obra"resume Miguel Rio Branco, ao falar sobre o seu processo criativo. 

Gritos surdos é composta por vídeos, fotografias e objetos. No entanto, sobre este tipo de composição, Miguel ressalta: "Cada pedaço na verdade já contém um todo, já pode bastar em si mesmo, fotograficamente falando; porém, poeticamente, ele precisa dos outros pedaços para completar o discurso".

As obras de Gritos Surdos foram concebidas originalmente para uma mostra individual do artista no Centro Português de Fotografia (Porto, Portugal/2001). Foram exibidas também na Galeria Millan, em São Paulo (2004) e em Arles, na França, nos “Rencontres d’Arles”, na Église des Frères Prêcheurs (2005).

Ao lembrar que Miguel Rio Branco não apresenta uma exposição Institucional no Rio de Janeiro há muitos anos, Evangelina Seiler, diretora da Casa França-Brasil, diz que Gritos Surdos proporciona uma reflexão sobre difíceis aspectos da condição humana. "A obra de Miguel Rio Branco nos faz pensar sobre o que às vezes não queremos ver", afirma.

 

O artista

Um dos mais completos artistas visuais brasileiros, Miguel Rio Branco começou a expor suas pinturas em 1964, mas foi como fotógrafo e diretor de fotografia que conquistou reconhecimento nacional e internacional, a partir dos anos de 1970. Estudou fotografia em Nova Iorque, onde trabalhou por dois anos como fotógrafo e diretor de filmes experimentais.  Nos nove anos seguintes, dirigiu e fotografou longas e curtas. Desenvolveu, em paralelo, uma fotografia autoral de forte carga poética, que logo o legitimou como um dos melhores fotojornalistas de cor.  A ênfase de Rio Branco ao olhar pessoal lhe rendeu prêmios importantes, como o francês Kodak de la Critique Photographique, em 1982, e o Grande Prêmio da Primeira Trienal de Fotografia do Museu de Arte Moderna de São Paulo (1980), além da presença de seus trabalhos nas revistas mais importantes do mundo, como Stern, National Geographic e muitas outras.

Como diretor de fotografia, foi premiado pelos filmes “Memória Viva”, de Otávio Bezerra, e “Abolição”, de Zózimo Bulbul. Seu vídeo “Nada levarei quando morrer, aqueles que me cobrarei no inferno” (1982), venceu a categoria Melhor Fotografia no Festival de Brasília) e foi duplamente premiado no XI Festival Internacional de Documentários e Curtas de Lille, na França: levou o Prêmio Especial do Júri e o Prêmio da Crítica Internacional.

Publicou os livros Dulce Sudor Amargo (Fundo de Cultura Económica, México, 1985); Nakta, com um poema de Louis Calaferte (Fundação Cultural de Curitiba, 1996);  Miguel Rio Branco, com ensaio de David Levi Strauss (Aperture, 1998); e, e Silent Book (Cosac Naify, 1988). Seguiram-se “Entre os olhos, o deserto” (2000), também pela Cosac Naify e, “Notes on the tides” (2006). “Você está feliz” (2012), o mais recente, editado pela Cosac Naify, foi indicado ao “Photobook Award 2013”.

Miguel Rio Branco possui obras no acervo de coleções públicas e particulares nos EUA, na Europa e no Brasil: Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna de São Paulo, Museu de Arte de São Paulo, Centre Georges Pompidou (Paris), San Francisco Museum of Modern Art, Stedelijk Museum (Amsterdã), Museum of Photographic Arts (San Diego) e Metropolitan Museum of Art (Nova Iorque).

Entre 2000 e 2013, o artista realizou 50 exposições individuais no Brasil, na Europa, Estados Unidos e Japão.

Serviço

Gritos Surdos, de Miguel Rio Branco

Casa França-Brasil

Rua Visconde de Itaboraí, 78 – Centro – Tel.: (21) 2332-5120

Abertura: 24 de março, das 17 às 20h

Visitação: de 25 de março a 25 de maio

Horário: de terça a domingo, das 10h às 20h

Entrada franca

Tags: Arte, cfb, cultura, exposição, lazer

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.