Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Cultura

História da luta pela terra no estado do Rio será contada em livro

Agência Brasil

Responsável pela solução de conflitos fundiários no estado, o Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio de Janeiro (Iterj), vinculado à Secretaria de Estado de Habitação, vai publicar a memória da luta pela terra no território fluminense. O livro terá também registro de imagens e depoimentos de lideranças comunitárias e personagens importantes de assentamentos urbanos e rurais.

O projeto é fruto de uma parceria com o centro universitário Unisuam, que ficará a cargo da editoração, da diagramação do projeto e da parte audiovisual. A elaboração do texto, a captação das entrevistas, a logística de locomoção e a pesquisa ficarão por conta do Iterj. O termo de cooperação técnica será assinado amanhã (12) à tarde, no centro cultural da instituição de ensino, em Bonsucesso, zona norte da capital.

A presidenta do Iterj, Mayumi Sone, explicou que a publicação pretende valorizar e reconhecer o processo de luta de vários cidadãos pelo direito fundamental à moradia decente. “Uma comunidade não nasce por acaso. Toda regularização fundiária, rural ou urbana, tem uma história, cada local tem sua história. É importante levar esse conhecimento para a população e para as comunidades que assentamos ou regularizamos,” contou ela.

A presidenta do instituto adiantou que o trabalho de pesquisa, com entrevistas, já começou, e que o projeto deve levar cerca de um ano para ser concluído. A pesquisa começa a partir da criação do instituto, há 23 anos. As comunidades mais antigas da capital fluminense, como as do Vidigal, da Rocinha, zona sul, e do Alemão, zona norte, onde a luta pela terra começou na década de 1960, estarão contempladas no livro. “Gostaríamos de incluir todos, mas não será possível, talvez em uma segunda etapa. Estamos selecionando os que têm um histórico mais antigo”, explicou.

Mayumi disse que, desde 2012, o estado tem concedido em média mais de 10 mil títulos de posse e propriedade. Cerca de 900 comunidades estão no programa de regularização fundiária de interesse social Nossa Terra, que garante a legalização da terra e da moradia para famílias de renda mais baixa.  Nos últimos quatro anos, o Iterj já entregou 22.955 títulos e outros 63.580 processos encontram-se em fase de conclusão.

 

Tags: história, lançamento, posse, publicação, terras

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.