Jornal do Brasil

Terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Cultura

O Lugar do Passado: duas histórias sobre amores que não se completam

Jornal do Brasil

Dois grandes escritores brasileiros, duas belas histórias de amor reunidas num espetáculo solo. O Lugar do Passado, com Wilmar Amaral e direção de Daniel Archangelo, segue fazendo história em 2014 e agora estreia no Sesc Casa da Gávea na próxima sexta-feira (14/)3). O texto reúne dois contos brasileiros: Noite de Almirante, de Machado de Assis, e Viagem aos Seios de Duília, de Aníbal Machado – obras primas da nossa literatura.

As duas histórias, selecionadas e adaptadas pelo ator, têm em comum o Brasil de outras épocas, um Rio de Janeiro que o tempo e progresso fizeram desaparecer. Em Noite de Almirante temos no final do século XIX o marujo Deolindo, voltando de longa viagem de instrução, correndo em busca da amada Genoveva por locais da cidade que desapareceram no tempo. Em Viagem aos Seios de Duília, o funcionário público José Maria, nos anos 40 do século XX, ao se aposentar, não encontra outra atividade senão se debruçar na janela de sua casa em Santa Tereza, olhando para a Baía de Guanabara e relembrando um amor de juventude.

Espetáculo estreia essa semana no Sesc Casa da Gávea, no Rio de Janeiro
Espetáculo estreia essa semana no Sesc Casa da Gávea, no Rio de Janeiro

Duas histórias de amor que não se completam, dois apaixonados em busca das amadas, tentando vencer o tempo; procurando um lugar do passado que não mais existe. Histórias simples, de onde os autores extraem temas profundamente humanos e tocantes. “Em 1961 assisti a um filme em episódios: Esse Rio que eu Amo”, conta Wilmar. “Um dos episódios me encantou: Noite de Almirante, com Tônia Carrero e Agildo Ribeiro, adaptado deste conto de Machado de Assis, dirigido por um argentino radicado no Rio de Janeiro, Carlos Hugo Christensen.  Em 1964 vi e me impressionei com outro filme do mesmo diretor: Viagem aos Seios de Duília, com Rodolfo Mayer, baseado no conto homônimo de Aníbal Machado. Após Dirigir-se aos Homens, meu espetáculo solo com três contos russos, decidi que queria trabalhar com textos brasileiros. A busca por estes novos textos acabou me levando aos encontros e encantos de 1961 e 1964. Estas obras primas literárias que serviram de inspiração aos filmes, agora fazem parte do meu espetáculo”. 

Daniel Archangelo, diretor do espetáculo, juntou-se ao ator para trazerem à cena estas emocionantes narrativas, como um contador de histórias o fazia antigamente. Com apenas um ator, o desafio maior foi traduzir cenicamente os personagens e os diferentes climas, mantendo a essência de cada história. – "São duas obras primas de nossa literatura, e traduzi-las para os palcos, em um só espetáculo, é um desafio. O caminho de nossa criação sempre se pautou pela simplicidade dos recursos. Com essa escolha elaboramos uma obra de arte que prima por sua profundidade e delicadeza. Ter apenas um ator em cena? Não imagino elemento mais rico e plural para ser trabalhado" – declara o diretor.

Wilmar Amaral é médico, pintor e ator. Estreou como ator na maturidade e vem construindo sua carreira com dedicação e amor. Esta sua paixão mais antiga, o teatro, só pôde manifestar-se tardiamente em sua vida através, primeiramente, de dois anos de curso livre de interpretação, com Roberto Bomtempo. Fez também cursos de interpretação para cinema com José Joffily e Walter Lima Jr e atuou nos curtas Para os Inocentes que Ficaram em Casa, com direção de Roberto Bomtempo, e Cara a Tapa, dirigido por Daniel Dias da Silva. Estudou também técnica de linguagem falada e cantada com a professora Elena Konstantinovna por quatro anos.

Apaixonado pela peça A Moratória, de Jorge Andrade, adquiriu os direitos de encenação e produziu o espetáculo, que marcou sua estreia como ator profissional. A Moratória estreou em janeiro de 2006, no teatro do Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio de Janeiro, com direção de Daniel Dias da Silva. Em 2007, produziu e interpretou Depois Daquele Baile, de Rogério Falabella, no Teatro do Leblon, no Rio de Janeiro, de outubro a dezembro.

Em 2010 produziu e interpretou seu espetáculo mais pessoal, “Dirigir-se aos Homens”, composto de três contos de autores russos: O Avô e o Netinho, de Gorki, O Arco, de Sologub, e Angústia, de Tchekhov, que teve duas temporadas no Rio de Janeiro, no Teatro Solar de Botafogo e na Casa de Cultura Laura Alvim e, em São Paulo, no Ágora Teatro.

Ficha Técnica

Textos: Noite de Almirante, de Machado de Assis, e Viagem aos Seios de Duília, de Aníbal Machado

Seleção de textos, adaptação e atuação: Wilmar Amaral

Direção: Daniel Archangelo 

Assistente de direção: Ana Cecília Reis

Trilha sonora: Wilmar Amaral

Cenografia: Carlos Augusto Campos 

Iluminação: Daniel Archangelo

Produção: Wilmar Amaral Produções Culturais Ltda.

SERVIÇO

Espetáculo: O Lugar do Passado – com Wilmar Amaral

Local: Sesc Casa da Gávea (Praça Santos Dumont, 116 – Gávea/RJ - 2239-3511)

Gênero: drama

Direção: Daniel Archangelo

Estreia: dia 14 de março, sexta

Temporada: sexta a domingo, até 27 de abril

Horário: sexta e sábado: 21hs e domingo: 18hs

Capacidade: 60 lugares

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$20,00 (meia)

Duração: 60 minutos

Classificação: livre

Tags: brasileiros, drama, época, escritores, histórias

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.