Jornal do Brasil

Sábado, 25 de Outubro de 2014

Cultura

Exposição no Rio revive início da ditadura militar

Jornal do Brasil

Guardião do acervo de vários artistas e intelectuais brasileiros, o Instituto Moreira Salles (IMS) do Rio de Janeiro fez desse legado a matéria-prima de um evento que procura reviver o ano em que o Brasil mergulhou na ditadura militar. Em 1964 - Arte e Cultura no Ano do Golpe será aberta hoje (8), às 19h, com a releitura do espetáculo musical Opinião. A partir de amanhã (9) o público poderá visitar a exposição que traz um panorama da vida cultural naquele ano.

Estreado em dezembro de 1964, o show foi considerado um marco na resistência cultural ao regime militar. Na releitura, a cantora Joyce vai interpretar o repertório que na época foi cantado por Nara Leão (depois substituída por Maria Bethânia), acompanhada pelo grupo Casuarina. O jornalista Sérgio Cabral, biógrafo de Nara, participará do espetáculo fazendo comentários e contando histórias do show original.

Haverá uma única apresentação, mas a íntegra do espetáculo será disponibilizada no site especialmente criado pelo IMS . Também farão parte do evento, que se estenderá até novembro, debates, outros dois espetáculos musicais e uma mostra de filmes que estavam em cartaz naquele ano. A mostra, aliás, já começou, antes mesmo da abertura do evento, com a exibição, no último fim de semana, dos filmes O Processo, de Orson Welles, Ivan, o Terrível - parte 2, de Sergei Eisenstein, e A Noite, de Michelangelo Antonioni.

“O centro do projeto é o site, que vai ser alimentado e atualizado ao longo do ano, e a exposição, ambos com o objetivo básico de mostrar 1964 pelos olhos dos artistas que fazem parte de nosso acervo”, explica o curador do evento, Paulo Roberto Pires, também editor da revista de ensaiosSerrote, do IMS. “A proposta é fazer uma imersão ao longo do ano no dia a dia de 1964. Algumas coisas na mostra são muito políticas e outras não. Como, por exemplo, o ensaio sobre a Festa de Iemanjá, que a fotógrafa Maureen Bisilliat estava  fazendo em 1964 e as fotos de publicidade da época”, detalha.

O acervo do fotógrafo Jorge Bodansky, que o IMS acaba de receber, também está na mostra. Fazem parte da coleção imagens de Brasília nos dias do golpe, como uma foto em que estudantes ouvem no rádio as notícias sobre o que estava ocorrendo no país.

Além da cronologia da época, o site terá trechos de filmes, imagens e uma atualização semanal, com crônicas, colunas e outros textos produzidos em 1964 pelos autores que integram o acervo do instituto, como Rachel de Queiroz, Otto Lara Resende e Millôr Fernandes.  “A ideia é mostrar ao público de hoje como eram as diferentes visões da época, antes e depois do golpe”, diz o curador.

Na literatura, foi no ano de 1964 que Clarice Lispector publicou dois de seus livros mais importantes, A Paixão Segundo G.H. e A Legião Estrangeira. Também naquele ano, Otto Lara Resende lançou seu discutido romance O Braço Direito e Millôr a sua revista de humor Pif-Paf, que apesar da vida curta (apenas oito números) ficou na história como o marco inicial da imprensa alternativa no Brasil.

Segundo Paulo Roberto, a proposta de uma remontagem do Opinião partiu do próprio diretor do espetáculo em 1964, Augusto Boal, falecido em 2009. “Na ocasião, ele conversou com a Joyce e disse que não faria sentido reproduzir os textos [de Oduvaldo Vianna Filho, Armando Costa e Paulo Pontes] porque estavam muito vinculados ao contexto da época. Então decidimos não fazer uma reconstituição do espetáculo, mas sim uma releitura”, conta.

Após o golpe, o bar era um refúgio para muita gente que estava sendo perseguida pelo novo regime, mas, ao que tudo indica, agentes da repressão também iam lá. “O Sérgio Cabral conta que estava no ZiCartola quando foi informado que estavam à sua procura. 'Foge daqui porque estão te seguindo”, disseram ao jornalista. Ele se levantou e foi pra casa. Não aconteceu nada."

Dois outros espetáculos musicais alusivos a 1964 serão encenados no auditório do IMS, um dele um tributo a Baden Powell, cujo acervo pessoal também se encontra no Instituto. “1964 foi o ano em que Baden iniciou sua carreira internacional, gravando um disco na França”, diz o curador. Segundo ele, a exposição terá atualizações até novembro.

Os ingressos para o show custam R$ 40 a inteira e R$ 20 a meia entrada. A exposição poderá ser visitada de terça-feira a domingo, das 11h às 20h. A entrada é franca. O IMS fica na Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, zona sul do Rio. 

Tags: a inteira, custam, e r$ 20 a meia, entrada, ingressos, o show, os, para, r$ 40

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.