Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Abril de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Crítica: 'O gato do rabino'

Jornal do Brasil Alice Turnbull

Passada na Argélia dos anos 1920, O Gato do Rabino é uma animação franco-austríaca dirigida por Joann Sfar (Gainsbourg - O homem que amava as mulheres) e Antoine Delesvaux, baseada em três volumes da série de Sfar que levam o mesmo nome do filme. 

Tudo começa com a história do gato do rabino Sfar (Maurice Bénichou), que, após engolir o papagaio da família, aprende a falar e manifesta seu desejo de se aprofundar na religião judaica. Apaixonado por Zlabya, a bela filha do rabino, o felino de língua afiada (na fantástica voz de François Morel) insiste e briga com a sinagoga por seu bar-mitzva. Mas suas intenções são verdadeiramente amorosas. Ao questionar diversos dogmas de maneira ácida e científica em seu processo religioso, ele gera boa parte dos excelentes diálogos do filme. O restante fica por conta do sábio primo muçulmano do rabino. 

Cena da animação "O gato do rabino", dirigida por  Joann Sfar e Antoine Delesvaux

A imaginação alada do diretor já vale o ingresso. Mas o que tem início com uma premissa excêntrica, se transforma em uma rica trama multicultural sobre a humanidade, na qual três das principais religiões (judaísmo, catolicismo e islamismo) são tangenciadas sabiamente com um humor muito refinado. 

O belo traço e as cores vívidas transportam o espectador para paisagens deslumbrantes, com destaque para o céu, que tem suas estrelas retratadas como uma foto de longa exposição. Sutileza pura. Em meio à beleza da animação, análises antropológicas e filosóficas travam batalhas com máximas religiosas sem deixar a comédia cortante de lado. Sem dúvidas um roteiro muito bem explorado por Sfar e Sandrina Jardel.

O filme, de fato, é sobre a universalidade do seres humanos. Sobre a necessidade de expressão e preenchimento de conhecimento divino e terreno. Ao se fazer clara a real interseção, todos passam a enxergar a irmandade perdida em minúcias tolas. A mensagem é a mesma: o amor em todas as suas formas. Mesmo que este seja de um gato que deseja a dona só para si. 

Cotação: **** (Excelente)



Tags: animação, argélia, cinema, gato, rabino, reflexão, religião

Compartilhe: