Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Cultura

Crítica: 'Heleno - O príncipe maldito'

Jornal do BrasilAlice Turnbull

A vida do jogador de futebol Heleno de Freitas possui elementos necessários para uma boa trama: glória, mulheres, dinheiro, vícios e tragédias. Utilizando-se deles, José Henrique Fonseca dirigiu seu mais novo longa, Heleno.

>> Confira a crítica de 'A novela das 8'

>> Confira a crítica de 'Beleza adormecida'

>> Confira a crítica de 'Um método perigoso'

No filme, o genial e problemático ídolo tem seus escândalos e glórias muito explorados, o que garante o tom bastante dramático em certos momentos. Já no início da produção, manchetes de jornais expõem a fama do primeiro “jogador problema” dentro e fora dos campos, o que reitera seu dom para o futebol, mas também para o autoboicote. 

Rodrigo Santoro encarga o jogador de futebol Helene de Freitas, no longa 'Heleno'
Rodrigo Santoro encarga o jogador de futebol Helene de Freitas, no longa 'Heleno'

Profissionalmente, Heleno é uma figura ambígua ao se mostrar talentoso e extremamente determinado - chegando a, no fim de sua carreira, insistir em jogar bastante debilitado -, porém convencido a ponto de achar um suplício pedir desculpas e polêmico o suficiente para apontar uma arma para o então técnico do Vasco, Flávio Costa.

Não menos intensa, sua vida pessoal é acompanhada de muita bebida, cigarros duplos e de um conturbado, e nada discreto, triângulo amoroso com Silvia (Alinne Moraes) e a cantora Diamantina (Angie Cepeda), rendendo belas cenas e o "quê" novelístico do filme. Mesmo em meio a esse turbilhão dramático que por vezes enfraquece o filme, a força do ídolo alvinegro é perfeitamente resgatada e marcada em nossa época através da impactante atuação de Rodrigo Santoro.

Intensamente amado e odiado, Heleno é retratado fielmente e não decepciona.

Cotação: ** (Bom)

Tags: Botafogo, cinema, filme, futebol, rodrigo santoro

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.