Jornal do Brasil

Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Colunistas - Comunidade em pauta

Não é de Exército e de bala que a Rocinha sobreviverá 

Jornal do BrasilDavison Coutinho

O sangue escorre pelos becos. As crianças estão sem aula, assistindo aos corpos pelo chão. Estamos em uma guerra onde lutamos sozinhos para conseguir sobreviver. Já não sabemos quem pode ser atingido, mas não podemos sair daqui. É o nosso lugar, nós criamos e criamos nossos filhos aqui. E afinal, para onde iríamos? Não temos escolha. 

Grupos e redes sociais são criadas para que moradores se informem dos tiroteios. Trabalhadores que saem para trabalhar sem saber se voltam. Casas metralhadas, jovens atingidos. Um cenário de violência que não consegue sensibilizar o poder público, que acredita apenas na força policial como solução para a consequência de um problema bem maior. 

Estou vendo os jovens sendo mortos, outros sendo presos. Nada a comemorar. Observo nos jornais a idade de alguns deles e outros conheci pequenos, são todos muitos jovens. Estamos perdendo a nossa juventude que também é vítima de uma sociedade desigual. Engana-se quem pensa que a culpa do tráfico está na própria favela, ou que são aqueles traficantes os verdadeiros beneficiados do tráfico de drogas no Brasil. 

Continuamos na busca pela paz, como concluindo com Cidinho e Doca “eu só quero é ser feliz, andar pela favela, o lugar onde eu nasci...”

* Davison Coutinho, morador da Rocinha desde o nascimento. Bacharel em desenho industrial pela PUC-Rio, Mestre em Design pela PUC-Rio, membro da comissão de moradores da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu, professor, escritor, designer e liderança comunitária na Comunidade

Tags: artigo, comunidade, davison, jb, pauta

Compartilhe: