Jornal do Brasil

Quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

Colunistas - Comunidade em pauta

Nossa perversidade morena está em níveis inimagináveis

Jornal do BrasilMônica Francisco*

Acredito que nossa perversidade morena está em níveis inimagináveis e insuportáveis.Estamos sendo empurrados para a radicalização.Façamos a Áurea se cumprir.Acho digno totens com lembranças sobre o respeito ao direito dos homossexuais. Agora quero totens lembrando que racismo é crime!

Mônica Francisco
Mônica Francisco

Acordamos com as notícias de nossa guerra particular.Na última semana, uma moradora relatou-me que policiais, tentando pegar um grupo de meninos que utilizava maconha em uma área do Borel,atiraram contra eles, e no mesmo instante, um outro grupo que vinha em sentido contrário pensou se tratar de ataque de bandidos e revidou.

Meninos presos. Muita discussão,adolescentes afirmando terem sido colocados flagrantes forjados em seus bolsos,moradores cobrando explicações. Com reforço chamado e moradores insistindo que tudo fosse esclarecido na delegacia,com certa resistência por parte dos policiais.Resumo: a moradora disse que não aguentava mais o despreparo de quem veio para pacificar e viola os direitos.

Do outro lado da cidade, tiros na Rocinha,no Alemão,na Vila Cruzeiro,6 mortos no Juramento e um menor, espancado, despido e preso a um poste em pleno Rio de Janeiro do século XXI.Sem contar a falta de água,com ameaças de manifestações por aqui no Borel.

A perversidade da nossa guerra é tão dramática,tão cruel, tão irracional e violenta.Isto porque se mistura a um céu azul e claro de doer. Só vi claridade assim,de doer e assustar, na terra vermelha de África. Essa perversidade travestida morena,que só nós temos. Cerveja gelada na mesa ao lado de um corpo gelado no chão.

Um jovem preso no poste, corpo nu, corpo de ninguém. Mais um guri no jornal.O que faremos para nos livrar desta perversidade morena? Com a mesma idade, alguém branco de quinze anos que se envolva com drogas,roube na sua escola de renome,estupre as amiguinhas e coloque as fotos ou comente nas redes sociais,rindo da cara de todos nós e amparado por uma sociedade escravagista e cruel que temos,é só alguém que precisa de ajuda para se encontrar.

Até que ponto mais chegaremos,para que a sociedade negra deste país comece a boicotar determinados segmentos de mídia,estabelecimentos comerciais,bancosprivados, marcas de produtos e roupas? Eles se envergonham de nos ter como clientes e isso é bem claro pelo tratamento que nos é dispensado em suas dependências ou por seus representantes.

Lembro-me da frase bíblica que diz: “seus líderes são rebeldes, amigos de ladrões; todos eles amam o suborno e andam atrás de presentes. Eles não defendem os direitos do órfão, e não tomam conhecimento da causa da viúva”. Está em Isaías 1:23.Tá osso!!

"A nossa luta é todo dia e toda hora. Favela é cidade. Não à GENTRIFICAÇÃO ao RACISMO e à REMOÇÃO!"

*Representante da Rede de Instituições do Borel, Coordenadora do Grupo Arteiras e Licencianda em Ciências Sociais pela UERJ.

Tags: comerciais, de mídia, determinados, estabelecimentos, segmentos

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • aNTONIO oLIVEIRA

    Eu acho que damos ênfase a questões tão vazias que chego ficar chocado. Uma das questões mais lamentáveis e sem sentido que conheço é a do racismo. O Brasil é um país moreno por natureza. O preconceito que existe não é racial, mas social. Como negro eu me envergonharia, por exemplo, das cotas que vejo decantadas em verso e prosa como conquista. Ninguém deve se colocar numa posição de desvantagem apenas para se beneficiar de alguma maneira. Marginais existem brancos e negros, na favela ou em qualquer bairro. Na zona sul, por exemplo, quando um marginal é beneficiado, não é porque é branco, e sim porque é rico. Se for pobre vai pro pau e fim de conversa. Está na hora de sermos menos específicos naquilo que nos interessa e sairmos atrás do bem comum. Vamos lutar pela tão falada educação, que muitas vezes é somente uma bandeira que alguém precisa tremular para chamar a atenção. Vamos tratar das questões da saúde, transporte, segurança, saneamento, entre outras tantas que as vezes nem são lembradas. Falar em racismo no Brasil para mim não passa de falta de assunto. Orgulhem-se de serem negros. A beleza está na própria cor e não nos discursos que nada mais são do que uma preparação para um futuro quem bem sabemos. Acho que no mundo todo não há tanta relação branco x negro, como no Brasil. Sejam negros de fato. Só somos o que somos porque convivemos muito bem sem a menor preocupação com cor, que nada mais é do que um mero detalhe. Acho que vejo sim, alguns poucos negros, que por conta dos seus próprios recalques, culpam os brancos e o mundo por seus fracassos. Sejamos inteligentes. Não vamos inventar monstros apenas porque precisamos de um inimigo. Aliás, se há uma coisa que não precisamos mais é inimigo. O Congresso está cheio deles, e o que é pior, colocados por nós. O carnaval está chegando. Vá a avenida e veja a quantidade de pessoas.de todas as cores, e nesse caso me refiro aos brasileiros, estão lá sem nem se darem conta das diferenças estabelecidas por maior ou menor concentração de melanina. Aliás para que serve mesmo a melanina?

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.