Jornal do Brasil

Domingo, 23 de Novembro de 2014

Colunistas - Comunidade em pauta

Números de assaltos crescem na Rocinha

Jornal do BrasilDavison Coutinho*

A paz tão sonhada com a pacificação da Rocinha não foi alcançada como todos esperavam, além dos diversos casos de violência registrados na comunidade, o que vem assustando e crescendo nos últimos meses é o número de assaltos a residências e comércios, crime que não era conhecido na favela.

A página FaveladaRocinha.com vem acompanhando os registros e noticiou a seguinte mensagem “Rocinha: hoje assaltaram a casa do seu brito aqui na rua 4, morador da rocinha há mais 50 anos, agora virou moda, do fim de ano até hoje já e mais de 30 assaltos que acontecem frequente mente aqui na comunidade e nas redondezas. Moradores pedem s.o.s. a segurança pública.”

Vale ressaltar que a comunidade recebeu a pouco mais uma unidade de delegacia e conta com uma unidade de polícia pacificadora. Por razão dos assaltos, há uma grande sensação de insegurança na favela que apesar de ter se tornado bairro deste 1995 não apresenta estruturas mínimas que melhorem a segurança, os becos e vielas são estreitos e escuros e não são iluminados o que causa muito medo nos moradores.

O perigo é grande e algumas mulheres já afirmaram que foram seguidas ou sofreram tentativas de abuso sexual. Não podemos esquecer que os tiroteios já fazem parte das nossas rotinas.

É essa a paz prometida pelo governo para os milhares de moradores de favela da nossa cidade?

*Davison Coutinho, 24 anos, morador da Rocinha desde o nascimento. Bacharel em desenho industrial pela PUC-Rio, Mestrando em Design pela PUC-Rio, membro da comissão de moradores da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu, professor, escritor, designer e liderança comunitária na Comunidade, funcionário da PUC-Rio. 

Tags: e algumas, é grande, já afirmaram, mulheres, o perigo, que foram, seguidas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.