Jornal do Brasil

Sábado, 23 de Agosto de 2014

Colunistas - Comunidade em pauta

Operação asfalto só não chega na Maré

Jornal do BrasilWalmyr Jr*

Estamos cientes de que a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, através da Secretaria de Obras e Urbanismo, vem realizando intervenções em toda a cidade. Uma delas é a operação tapa-buraco, que tem recuperado e reestruturado ruas, avenidas e estradas que se encontravam em péssimas condições de tráfego.

O melhor asfalto favorece a lógica da mobilidade urbana e facilita o transporte de automóveis, linha de ônibus, transporte escolar, entre outras coisas. É de extrema importância essas ações da prefeitura, porém é importante também fiscalizar os serviços que não chegam para a população da periferia. 

A avenida Lobo Junior por exemplo é coluna central do bairro da Penha Circular, nesta avenida vemos o sectarismo social de forma estridente. Um lado da Avenida Lobo Junior é assistido e o outro não, o simples motivo é que ela começa dentro da Favela Marcilio Dias na Maré. As residências que estão localizadas nos primeiros números da avenida, não recebe os serviços da prefeitura como os moradores que moram após a Avenida Brasil. Na favela o descaso é uma constância.

Além de termos uma via com muitos buracos, enfrentamos um desafio em dias de chuva forte: a Avenida Lobo Junior fica totalmente alagada. Quando o serviço chega acaba sendo mal executado e os funcionários da prefeitura apenas jogam o material dentro do buraco e não se preocupa com o asfalto que sobra. Assim o material que era para ser descartado é acumulado nas entradas dos bueiros, causando entupimento das vias pluviais.

A falta de sinalização das obras, quando acontecem, não chama a atenção de ninguém e não dá segurança para os funcionários da prefeitura, não se preocupam em colocar cones avisando e isolando a área do serviço.

O que nos deixa indignado é que esse programa de governo da prefeitura não inclui as favelas e periferias dentro do seu escopo. Já estamos cansados de promessas. Queremos solução!!

Já falamos outras vezes sobre essa famosa avenida porém nada é feito. Já denunciamos que em frente ao Ambulatório Naval da Marinha, no bairro da Penha, motoristas comentem infrações e não são punidos, ocupam o espaço do pedestre e nada acontece. Já citamos que o Centro de Instruções da Marinha Almirante Alexandrino também ocupa a calçada e a faz de estacionamento.

Já comentei que a mesma avenida que viu a história do desenvolvimento da Penha, também vê o descaso com o lento e quase inexpressivo desenvolvimento da favela Marcílio Dias. Na comunidade, a Avenida Lobo Junior tem em seus primeiros números a marca do abandono. Está largada com muitos buracos, esgoto a céu aberto e, um matagal onde é possível ver foco de ratos, baratas e mosquitos.

Repito uma frase utilizada por mim a um tempo atrás: “Ficamos aguardando ainda uma solução. Na expectativa de um dia o grito do pobre e excluído ser ouvido por alguém. Os moradores, no silêncio da favela, aguardam soluções”

*Walmyr Júnior é graduado em História pela PUC-RJ e representou a sociedade civil em encontro com o Papa Francisco no Theatro Municipal, durante a JMJ.  

Tags: a um tempo, atrás, frase, mim, por, repito, uma, utilizada

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.