Jornal do Brasil

Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Colunistas - Comunidade em pauta

Educação no Brasil é uma tragédia anunciada

Jornal do Brasil *Mônica Francisco

Uma tragédia termos o número cada vez menor de pessoas querendo exercer o magistério. Com podem ver em meus créditos, sou licencianda da UERJ com muito orgulho.

É de tremer tal notícia.Trememos ao ver o que para além de um contracheque humilhante, o Estado foi e é capaz de fazer com os professores neste país.

Quando lemos qualquer novidade sobre o Brasil, veiculada por agência estrangeira, tratam logo de colocar, com muita razão e é claro se trata de uma verdade, que o Brasil é uma economia cada vez mais ascendente e tende a chegar a patamares elevados neste quesito em pouco tempo.

Isso posto, já nos torna algo muito mais perverso. Nos parecemos, porque o Brasil somos nós. O governo, somos nós. Nos parecemos cada vez mais com aquele personagem com cara angelical e capaz das piores atrocidades, sem mover um músculo da face.

O que será de nós em um país rico e sem educação? O que nos aguarda? O que faremos com a horda 19 milhões de analfabetos, famélicos, desempregados, desesperançados e sem perspectiva?

Mônica Francisco
Mônica Francisco

E agora José? Quem poderá nos defender? Fico cada vez mais confusa. Vejo o senador, novos senadores, será ideia fixa? Penso em Cristovam Buarque.Toda vez que passo pelo canal do Senado e o vejo discursando, me sinto na obrigação de ouvir. Acho que só eu o ouço, porque por muitas vezes o que vi foi uma platéia apática, sorumbática, vendo mensagens em celulares e com ares de pouco caso.

Arauto da tragédia que se abaterá sobre nós se não fizermos algo rápido. Enquanto isso, alguns heróis tentam formar outros para que pelo menos não haja a extinção da profissão. Eu sei, estou sendo apocalíptica. Mas olhando a situação do Maranhão, só posso pensar que aquilo só pode ser resultado da destruição da única coisa que pode salvar o pobre, a educação.

Vi um desenho intitulado: O Lorax: Em busca da última Trúfula perdida, sobre um mundo caótico sem verde, árvores e pássaros, onde o capitalismo e a ganância criaram um mundo caótico e triste. Será assim um mundo sem educação, um país sem educação.

Só para fechar, retomo à saga de Blasio, pois soube que o homem chamou uma professora aposentada para o cargo de Secretária de Educação, vai acabar coma interferência de empresas ou instituições privadas na educação e decretou o fim da Meritocracia. A velhinha é danadinha e disse que professor vai ser tratado de forma mais  humanizada..

"A nossa luta  é todo dia e toda hora. Favela é cidade. Não à gentrificação, ao sucateamento da educação e à REMOÇÃO!!"

* Representante da Rede de Instituições do Borel, Coordenadora do Grupo Arteiras e Licencianda em Ciências Sociais pela UERJ.

Tags: Borel, coluna, comunidade, JB, monica, pauta

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.