Jornal do Brasil

Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

Colunistas - Comunidade em pauta

Uma carta de Natal da Rocinha para Cabral e Paes

Jornal do Brasil

Prezado Governador e Prefeito, este ano resolvi não escrever uma carta para papai Noel pedindo presentes, nem resolvi escrever uma carta para familiares e amigos. Preferi lhes escrever em nome da Rocinha e de tudo que vivenciei este ano.

O ano de 2013 para a Rocinha foi excepcional e de muita visibilidade para nossa comunidade. Infelizmente, mais uma vez, ficamos marcados e expostos pela violência, o que não é nenhuma novidade em todas as favelas do Rio de Janeiro.

Davison Coutinho
Davison Coutinho

Não podemos falar de Rocinha em 2013, sem lembrar do fato mais comentado em todo o pais, a crueldade que foi cometida contra o ajudante de pedreiro, Amarildo de Souza, torturado até a morte por policiais da UPP. O corpo de Amarildo até hoje continua um mistério e sua família não teve nem mesmo a possibilidade de enterrar com dignidade o cidadão que foi injustiçado.

A morte de Amarildo serviu como uma forma da comunidade criar forças e ter voz. Os moradores criaram coragem e foram as ruas reclamar a morte do morador e aproveitaram para expor os abusos cometidos por policias militares. Esse triste episódio serviu para que se pudesse mostrar que a pacificação das favelas, bandeira da campanha de Cabral, não levou a paz prometida para os milhares de moradores de favelas.

Com o início das manifestações em junho do ano em curso, a Rocinha também teve sua vez. Liderados pelos estudantes Dennis Neves e Erica Santos que levaram centenas de moradores às ruas, com um percurso até a porta do Governador Sérgio Cabral, onde foram exigidas e cobradas as promessas não cumpridas pelo governo. A passeata serviu de lição de cidadania, ao contrário do que os moradores de São Conrado e Leblon pensaram, quando isolaram suas portas com tapumes de madeiras, nada foi quebrado, nenhum lixo foi deixado no chão e nem mesmo um mínimo conflito policial foi registrado. O tema central da passeata era o pedido de saneamento básico, seguido por saúde, educação e pelo "não" ao teleférico.

A violência foi intensificada na comunidade e todos ficamos muito horrorizados com a crueldade com que foi morta a menina Rebeca, de apenas 9 anos - estuprada e morta a 50 metros de uma base da UPP. A morte da menina chocou a todos os moradores e a insegurança tomou conta da comunidade. 

Os tiroteios diários na Rocinha fizeram e fazem parte da rotina dos moradores durante o ano, sendo ainda mais intensificado nos últimos 6 meses. A comunidade passa por um tempo de grande aflição e medo. Os tiroteios são intensos e impede que as pessoas possam transitar com segurança dentro da comunidade.

A péssima qualidade do serviço de transporte para os moradores foi motivo de muita reclamação a Secretaria de Transporte que fez diversas alterações sem consulta dos moradores. As vans tiveram seus trajetos e números de veículos reduzidos, o que impactou negativamente na vida dos moradores. Os ônibus continuam lotados e o trânsito caótico.

Ficamos muito insatisfeitos com a decisão do Governo em retirar um Pólo de Educação que servia como forma de desenvolvimento dos moradores no aprendizado da educação básica e superior e que deu prioridade a uma delegacia de polícia. O que mostra que a prioridade para as favelas não é educação e qualidade de vida e sim policiamento.

A lei do lixo zero foi implantada na cidade e serviu para deixar as ruas limpas multando o cidadão que joga seu lixo no chão. Mas continuamos na dúvida de quem vamos multar pelo péssimo serviço realizado pela Comlurb na Rocinha que é lembrada pelas imensas pilhas de lixo espalhadas nas comunidade onde proliferam ratos e baratas.

A instalação do teleférico na comunidade também foi alvo de muitas críticas entre os moradores que julgam que esse sistema de transporte não é prioridade para o local. Precisamos, sim, de muitas outras coisas, coisas básicas, como saneamento. Lideranças comunitárias levaram a causa até o Clube de Engenharia do Rio de Janeiro para um estudo sobre a necessidade do teleférico e como resposta: "a prioridade para Rocinha deve ser o saneamento básico".

O trabalho social que foi prometido com a instalação da UPP deixou a desejar e são poucos os projetos sociais realizados na comunidade, que tanto precisa de ações para desenvolvimento e educação das crianças e jovens. O PAC 2 foi um dos temas mais falados e revelou mais uma vez a falta de diálogo com os moradores. Já o PAC 1, iniciado há tantos anos, ainda não foi finalizado e muitas obras ainda não saíram do papel. Não temos plano inclinado, o caminho do Boiadeiro continua sem ser revitalizado e se transforma em um rio de água suja e lixo quando chove. A creche ainda não foi entregue, e o Valão não foi urbanizado. Como podemos acreditar no PAC 2 se o seu antecessor anda não foi concluído?

A educação para nossas crianças e jovens na comunidade ainda não é o modelo que gostaríamos. Nossos filhos ainda precisam ser sorteados para poder estudar nas creches e a situação das nossas escolas públicas revela que há algo de errado, tendo em vista a evasão escolar e o baixo desempenho dos alunos. Nas férias, as crianças ficam sem atividade, as escolas ficam fechadas, não se tem atividades de recreação, ou uma simples colônia de férias.

Enfim, governador e prefeito, podemos concluir, com esse ano tão marcado pela insatisfação do povo, que não adianta apenas reprimir o morador com polícia. Até porque a parte majoritária de moradores é de trabalhadores e gente honesta. Precisamos de muito mais, o trabalho precisa ser feito bem antes, precisa ser na educação básica de todas essas crianças. Precisamos de oportunidades e interesse do governo, em educar e criar oportunidades para nossos jovens. É necessário que sejam criadas e aplicadas políticas de educação e inclusão. Queremos ser ouvidos, queremos que nossas reivindicações sejam respeitadas e atendidas.

Nossa vida de morador de favela é muito trabalhosa e difícil, são diversas as barreiras, crescemos cercados pela violência e a falta é uma realidade na vida de quase todos moradores, falta moradia, falta educação, falta oportunidade, falta saúde. E o pior, é que falta um poder público com governantes comprometidos e suas responsabilidades em dia.

Esperamos que nesse Natal os senhores possam aproveitar a sensibilidade transmitida pelo Espírito Natalino do nascimento de Cristo e possam olhar para a Rocinha com carinho e amor, com vontade de transformar de verdade a situação das vidas de tantas famílias, de tantos trabalhadores que cumprem, muitas vezes, suas jornadas dobradas para oferecer com toda dificuldade uma vida mais digna e feliz aos seus familiares. Esperamos que nosso Natal seja de Paz.

Boas Festas!

*Davison Coutinho, 23 anos, morador da Rocinha desde o nascimento. Bacharel em desenho industrial pela PUC-Rio, Mestrando em Design pela PUC-Rio,  membro da comissão de moradores da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu, professor, escritor, designer e liderança comunitária na Comunidade, funcionário da PUC-Rio. 

Tags: à situação, com, das, de transformar, verdade, vidas, vontade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.