Jornal do Brasil

Sexta-feira, 22 de Junho de 2018 Fundado em 1891
Comunidade em pauta

Colunistas - Comunidade em pauta

Rocinha sem água

Jornal do Brasil Davison Coutinho

Os problemas de água da Rocinha não são de hoje, são desde a formação da favela e tem sido uma das maiores lutas dos moradores que sofrem com a falta de um recurso primordial para a vida.

Davison Coutinho

Uma semana inteira, ou às vezes um mês. Esse é o tempo que os moradores da Rocinha têm passado sem ver água nas torneiras. O problema já passou de desconfortável para grave, pois em algumas áreas, esse período já dura mais de um mês, considerado agora um bem mais precioso do que nunca.

A moradora Chica da Rocinha, que mora na Comunidade há mais de 40 anos, informa que já se acostumou a não ter água em casa, e que faz o impossível diante dessa falta com tanta frequência. “A água de lavar o rosto e escovar o dente tem que ser guardada e depois usada para lavar o banheiro, nada pode ser desperdiçado. Minha coluna já não aguenta mais ter que carregar tantos baldes de água nessas escadarias. É uma vergonha o que fazem com a gente”, conta Chica.

Chica da Rocinha em frente ao Núcleo da Cedae

Em busca de uma solução para o problema, os moradores vão até o núcleo da Cedae, localizado na parte da alta do morro. O núcleo está destruído, caindo aos pedaços, é vergonhoso o estado de conservação do local. Além de não ter funcionários orientados e capacitados para resolver o problema e dar respostas às reclamações dos moradores.

"Todos os dias, vou abrir a torneira e não tem água. E quando venho na CEDAE eles só informam que tiveram um problema, e o pior, que não tem previsão para fazer o reparo”, reclama um dos moradores.

O líder comunitário da Rocinha William de Oliveira postou em sua rede social “Bom dia, lata d'água na cabeça, lá vem William, Lá vem William. Lá vou eu carregar água, pois a caixa esta assim [vazia], como dizia dona jura, não e brinquedo não”.

Núcleo da Cedae na Rocinha em estado de abandono 

Procurei o núcleo da Cedae, o funcionário que me atendeu informou que não há previsão para resolução do problema, pedi para falar com o responsável, mas não obtive sucesso. É lamentável, como o presidente da empresa tem coragem de acordar e saber que quase 200 mil moradores, entre crianças, idosos e deficientes, não tem sequer um pingo de água em suas casas. O descaso do nosso governo e da Cedae é realmente uma grande tristeza para todos nós que acreditamos que a Rocinha seria uma comunidade melhor.

Será mesmo que essa é a comunidade modelo que a presidenta pediu para o Governo do Rio?



Tags: falta, idosos, moradores, reclamações, torneira, água

Compartilhe: