Jornal do Brasil

Hildegard Angel

Seminário Preta Porter - Modativista traz à tona diversos debates

Jornal do Brasil

Macaque in the trees
1) Julio Ludemir, diretor da FLUPP, e Luiz de Freitas, o grande criador de moda brasileiro; 2) A estilista da alta costura, Lucília Lopes; 3) Yamê Reis, consagrada criadora de moda, agora coordenadora dos cursos do IED; 4) O carnavalesco da Mangueira e figurinista, Leandro Vieira, Estandarte de Ouro 2018; 5) O Historiador da Moda, professor João Braga; 6) O figurinista e cenógrafo premiado Colmar Diniz (Foto: Maurício Hora)

A influência do carnaval na moda internacional, com a presença no Sambódromo dos criadores das grandes marcas estrangeiras em busca de inspiração; a catástrofe que foi para o mundo da moda o surgimento da Aids; a máquina de costura como “arrimo de família” na formação de várias gerações de brasileiros; a nova moda individualizada, exprimindo o sentimento, o gosto e as escolhas de cada um que a veste; a desmistificação dos grandes mitos criadores da moda, que saem de seus pedestais para dar lugar aos coletivos... foram muitos os assuntos que afloraram nas mesas do Seminário Preta Porter - Modativista, realizado na Casa Zuzu Angel de Memória / Museu da Moda, em seu segundo dia. Nas mesas, primeiro, o carnavalesco Leandro Vieira e o historiador da moda, João Braga, num alto debate intelectual, sobre questões políticas, econômicas e culturais que envolvem a atividade. Em seguida, o figurinista cênico Colmar Diniz, diretor de arte de inesquecíveis mostras de moda, como a de Carmen Mayrink Veiga na Casa Julieta de Serpa, fez contraponto a Luiz de Freitas, o “Mr. Wonderfull”, renovador da moda masculina e criador da moda do palco de Caetano, Bethania, Gal, Gil, Rod Stewart, até Fred Mercury buscou seu trabalho. Na terceira mesa, a alta costura decifrada para os jovens presentes por Lucília Lopes, e a nova conceituação da moda pela mestra Yamê Reis. Na plateia, a presença de um coletivo talentoso de estilistas negros, selecionados para participar do primeiro projeto de moda da FLUPP - Festa Literária das Comunidades, em que recriarão a coleção-denúncia de Zuzu, mas dentro do contexto da atual tragédia social do Brasil, onde milhares de negros jovens são dizimados anualmente pelas forças do Estado.

---------

NOTÍCIA DEVASTADORA

Ledo engano quando se diz que o incêndio do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista não teve vítimas fatais.

Morreu o ativista pela defesa do patrimônio brasileiro, o jurista Francisco José Andrade Ramalho. Atônito com a perda do Museu Nacional, ele se mostrou abaladíssimo e deprimido desde o incêndio, e cometeu suicídio uma semana depois, no último domingo.

Ramalho sempre foi militante e defensor incondicional de nosso patrimônio. Os descasos que levaram ao incêndio do Museu da Quinta parecem ter sido a gota d’água. Ele era favorável a que fosse passado para o Ministério da Cultura tudo o que sobrou das cinzas do museu, e com um tipo de gestão diferenciada.

Francisco Ramalho era também um benemérito. Foi ele o autor do restauro do quarto de Dona Maria I no Convento do Carmo, além de ter doado peças e livros para o Museu da Humanidade.

BIA ORGÂNICA

Beatriz Martins Costa, a Bia, foi homenageada ontem na Alerj com medalha Tiradentes, pela sua ação pioneira e vitoriosa na promoção e popularização da alimentação orgânica no país. Em seguida, houve jantar em sua homenagem de sua sócia, Rosa Cordeiro Guerra, na Av. Atlântica...

SEX IN FIORENTINA

“Sex in the city” também é aqui. Está sendo filmado na Fiorentina, no Leme, com direção de Domingos de Oliveira, um seriado com temática bem semelhantes. São quatro mulheres atraentes, representando os quatro tipos psicológicos de Jung: a razão, o sentimento, a sensação e a intuição. As personagens Diana, Ana Aureliana, Maria e Papoula, vividas por Dedina Bernardelli, Cacá Mourthé, Clarice Niskier e Priscilla Rozenbaum, fazem confidências sobre suas conquistas e problemas femininos, em ação se passa na década de 50. Verdade é que Domingos, desde “Todas as mulheres do mundo”, é considerado o cineasta que mais entende a alma feminina.

GALA EM BERLIM

Na Embaixada do Brasil em Berlim, tendo como anfitriões o embaixador Mario Vilalva e Vania, houve noite de gala e de glória do projeto Música no Museu, com presença dos embaixadores de Rússia, Portugal, Peru, Colômbia, Argentina, Venezuela, Cabo Verde e Holanda, e do ex-embaixador alemão no Brasil, Ulrich Brandenburg. Ao fim de seu concerto em que tocou Villa-Lobos e Camargo Guanieri, a pianista Licia Lucas foi aplaudida de pé e recebeu convite do embaixador russo, Segef Netschajew, para se apresentar em Moscou. Sérgio Costa e Silva e Ignez exultantes.

ABBR EM PERIGO

Está sendo convocada para toda a manhã de hoje, uma grande manifestação solidária da comunidade. diante da ABBR, que se encontra em situação financeira crítica, devido ao não repasse de verbas pela Prefeitura do RJ. As esferas responsáveis se mantêm completamente avessa a qualquer negociação, no sentido de a instituição se manter funcionando com seu atendimento gratuito de excelência para pessoas com deficiência. A presença de todos é fundamental.

BOAS COTAS

Porém, boas notícias também acontecem. Ontem, a ALERJ prorrogou por mais dez anos a Lei de Cotas para os cursos de graduação nas universidades públicas. A Lei de Cotas, que foi homologada em 2008 com validade até o fim deste ano, foi agora enriquecida por emendas do deputado Waldeck Carneiro, que garantiram 20% das vagas para alunos do ensino médio cursado na rede pública e 5% para estudantes com deficiência...

BLACK IS EGOT

O status mais ambicionado pelos artistas americanos é chegar à condição de EGOT. Isto é, alguém que reúne as principais premiações da indústria audiovisual dos EUA: Emmy, Grammy, Oscar e Tony. E o cantor norte americano John Legend tornou-se no domingo o primeiro homem negro a alcançar o status EGOT, ao ganhar o Emmy por sua atuação no musical da NBC “Jesus Christ Superstar Live”. Legend já somava 10 Grammys, um Oscar de Melhor Canção Original por “Glory” e um Tony como co-produtor do Melhor Revival para o show da Broadway “Jitney”. Apenas quatro artistas são EGOT, todas mulheres: Rita Moreno, Audrey Hepburn, Mel Brooks e Whoopi Goldberg, a primeira mulher negra desse clube muito exclusivo.

NÉLIDA GRANDE

Por falar em grande dama, Nélida Piñon, a grande das letras, mais do que prêmios, agora é ela própria nome de uma premiação. E na Espanha, em Santiago de Compostela. Foi ontem a entrega do II Premio de Relato Breve Nélida Piñon a Daniel Asorey Vidal. Foi na Casa do Concello Cerdedo-Cotobade, com o prefeito Jorge Cubela López convidando, juntamente com o comissário de Cultura e Educação Universitária e a presidente da Câmara de Deputados de Pontovedra, Carmela Silva Rego.

Como vocês sabem, Nélida está morando, durante este ano, em Lisboa e os amigos aguardam ansiosamente por seu retorno em dezembro.

--------------

A GUARDA MUNICIPAL tentou ontem à tarde, e sem sucesso, retirar o grupo de militantes dos movimentos negro, indígena e LGBTINB, que ocupavam o prédio público ao lado da escola de música da UFRJ, na Rua do Passeio. É a “Ocupação Marielle Franco”, que solicita, pelas redes sociais, ajuda jurídica e apoio dos simpatizantes de suas causas.

--------------

Com João Francisco Werneck



Recomendadas para você