Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

Coisas da Política

Os EUA, Putin e a queda do avião malaio

Mauro Santayana

Despachos urgentes de agências internacionais dão conta da queda de um avião Boieng 777, da Malaysia Airlines, que saiu ontem, às 12h15, hora local, do aeroporto de Amsterdã, na Holanda, com destino a Kuala Lampur, capital malaia.

A queda da aeronave, que levava 295 pessoas, nas imediações de Krasni Luch, perto de Shaktarsk, em território ucraniano, próximo da fronteira com a Rússia, ocorre em um momento em que — coincidentemente? — boa parte da opinião pública mundial ainda tem a sua atenção voltada para a tragédia do misterioso desaparecimento, sem deixar pistas, de um avião do mesmo modelo, e da mesma companhia, sobre o Oceano Índico, em 8 de março deste ano, com 223 passageiros, entre eles, 150 cidadãos chineses, a bordo. 

Segundo agências de notícias ocidentais, o acidente ocorreu em território controlado por separatistas de etnia russa, que foram imediatamente acusados, pelo governo ucraniano, de terem derrubado o avião, usando mísseis terra-ar.

Em conversa telefônica, anteriormente agendada, com o presidente Obama, dos EUA, o presidente russo, Vladimir Putin, negou peremptoriamente essa possibilidade, também desmentida pelo líder dos separatistas do Leste da Ucrânia, Alexander Borodai.

Como o avião se encontrava a dez mil metros de altura, ele só poderia ser abatido, teoricamente, por mísseis de uma bateria antiaérea, e não pelos projéteis portáteis usados, normalmente, pelos combatentes independentistas da região, que têm entre 3 e 4 mil metros de alcance. 

Afastada a hipótese da explosão de uma bomba a bordo, e em caso de confirmação de que a queda do avião malaio — que contava com 15 cidadãos norte-americanos entre seus passageiros — foi provocada pelo disparo de um míssil, é preciso desconfiar das versões apressadamente apresentadas pelas autoridades do atual governo ucraniano.

É estranho que o incidente aconteça justamente depois da recente derrubada de um avião militar da Ucrânia, por rebeldes separatistas, e quando os Estados Unidos estão anunciando novas sanções contra a Rússia.

E isso, em um momento em que o presidente Vladimir Putin acaba de colher importantes vitórias diplomáticas, junto com o seu colega chinês, Xi Jinping, em périplo pela América Latina, no contexto da Cúpula dos Brics de Fortaleza, e do lançamento do Novo Banco de Desenvolvimento e do Fundo de Reservas do grupo.

Considerando-se a permeabilidade da vasta fronteira que separa a Rússia e a Ucrânia,  e os estreitos contatos na área de defesa — incluindo a fabricação de armamentos — que existiam entre os dois países, desde os tempos da antiga União Soviética, seria fácil, para qualquer uma das partes em confronto, derrubar uma aeronave usando  um  foguete ar-ar de origem russa disparado de outro avião, hipótese que está sendo investigada, com base em informações de satélites, tanto por Washington como Moscou neste momento.  

É preciso não esquecer que, quando da queda de Yanukovich, teoricamente precipitada por disparos feitos por policiais contra manifestantes da Praça Maidan, correu a versão, ainda não totalmente desmentida, ou devidamente esclarecida, de que os tiros teriam partido, na verdade, de franco-atiradores ligados a facções da extrema-direita neonazista ucraniana, com a intenção de jogar a opinião pública contra o governo que estava no poder em Kiev até fevereiro deste ano.   

Tags: amsterdã, despachos, kiev, kuala, não desmentida, UCRÂNIA, versão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.