Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Coisas da Política

O negócio da China

Mauro Santayana

No momento em que os Estados Unidos tentam, inutilmente, isolar a Rússia, atacando-a com sanções, e enfraquecer a unidade dos Brics, Putin viaja a Pequim e fecha o que pode ser chamado de o maior acordo comercial da história: o fornecimento, pelos russos, de 400 bilhões de dólares em gás, à China, pelos próximos 30 anos.

Aturdidos, “analistas” e observadores “ocidentais” estão fazendo força, nos diários econômicos internacionais, para ressaltar o caráter comercial do acordo. Esquecem-se, ou fingem esquecer-se, por conveniência, que  tudo, ou quase tudo, que a Rússia e a China fazem, neste novo  século, tem, em seu âmago, forte conotação geopolítica.

A decadência econômica da União  Europeia, hoje, um projeto fracassado, que os alemães relutam em continuar bancando; a vassalagem europeia, do ponto de vista político e militar, aos interesses norte-americanos a que cada vez mais europeus se opõem; a desorientação estratégica dos EUA, em um mundo em que sua hegemonia se esfarela a cada dia, e suas aventuras perigosas e malsucedidas em lugares como a Síria e a Ucrânia.

São estes os fatores que estão por trás da assinatura do Negócio da China e que atraem Pequim e Moscou como gigantescos ímãs, para um novo projeto euro-asiático, que pode mudar o mundo.

Nessa aliança, o gasoduto previsto no contrato – classificado, ontem, por Vladimir Putin, como a maior obra do mundo nos próximos quatro anos – é apenas o primeiro passo para a ocupação e o desenvolvimento da vasta fronteira que se estende entre os dois países e o imenso território da Mongólia, nação que também se beneficiará com o acordo.

Junto com a Ferrovia Transiberiana e a Transmongólica, que liga São Petersburgo a Pequim, e as novas obras que estão sendo construídas para a interligação terrestre dos dois países, no que já se está chamando de "Nova rota da seda", o gasoduto unirá, como gigantesca ponte, os países da CEI (Comunidade dos Estados Independentes),  que estão ligados a Moscou pelo passado comum soviético, e os países da OCX (Organização de Cooperação de Xangai), que, junto com a China, já representam o maior mercado do mundo.

Para se desenvolver, o projeto euro-asiático, ao qual poderá se unir, também, depois, a Índia, contará, no coração do maior continente do planeta, com dezenas de milhões de quilômetros quadrados de área e bilhões de habitantes, unindo a maior potência energética do século 21 ao maior consumidor de energia da nossa época.

Historicamente estendida entre o Leste e o Oeste, a Rússia traz, em seu brasão, uma águia bicéfala dourada sobre campo vermelho.

A partir de agora, uma cabeça vigiará, permanentemente, o Ocidente, enquanto a outra trabalhará, junto com o Urso Chinês, na epopeia da construção da Nova Eurásia, nas vastas estepes do oriente.

Tags: analistas, Brics, EUA, eurásia, ocidentais, putin, síria, UCRÂNIA

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.