Jornal do Brasil

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Coisas da Política

A ilusão mexicana

Mauro Santayana

A cada dia surgem novas evidências e informações que desmontam o mito do México como paradigma de progresso e modernidade na América Latina, e de um exemplo e modelo de corte neoliberal para o desenvolvimento de outros países da região.

Não bastasse a revelação de que quatro em cada dez mexicanos estão passando fome,  de que não existe sequer seguro-desemprego no país, e de que cerca de 60% da população sobrevive na informalidade, sem direito a vale-alimentação ou aposentadoria, por exemplo, cai agora por terra a posição do país como grande potência exportadora. 

Um estudo recente, publicado na revista  Paradigmas, editada por um conjunto de universidades mexicanas, com o título de Quão mexicanas são as exportações mexicanas, mostra que, de 1987 a 2011, as exportações cresceram até chegar a quase um terço do PIB, mas, ao mesmo tempo, a produção per capita, segundo o Banco  Mundial, ficou em apenas 2% ao ano.

A causa dessa dicotomia, que faz com que as exportações tenham crescido muito mais do que a produção — e com que persista a pobreza — seria, justamente, o baixíssimo nível de conteúdo nacional nas exportações mexicanas.

 Usando dados sobre a relação insumo-produto desenvolvida pelo economista Marcel Timmer, os autores — mexicanos — do estudo, separaram os cinco setores de maior vocação exportadora do México, Brasil, Coreia do Sul e China, e se debruçaram sobre o conteúdo nacional da produção enviada por eles enviados para o exterior.

A conclusão, ao final do trabalho, foi a de que, excluídas as atividades de extração de recursos naturais ou o processamento básico desses recursos, os maiores setores exportadores da economia mexicana são justamente aqueles que apresentam menor conteúdo nacional.

Enquanto no Brasil e na China o conteúdo nacional dos cinco maiores setores exportadores é de aproximadamente 90%, e na Coreia do Sul é de 80%, no México ele não passa de 60%.

Por essa razão, quando as exportações  crescem no México, seu impacto na utilização de insumos nacionais e no salário da população é mínimo e muito menor do que ocorre no Brasil e na China.

No México, existe um divórcio, um forte desacoplamento entre o setor exportador e o resto da economia, o que faz com que nem os empresários nem os trabalhadores locais se beneficiem da “abertura” do país para o exterior.

Isso confirma o que qualquer observador com um pouco de bom-senso já sabia. O setor exportador mexicano funciona como  um enclave dentro da economia local. E se beneficia de seus baixos salários e da localização geográfica das “maquiladoras”, para fazer uma breve parada, a caminho do mercado dos Estados Unidos.

O dinheiro não fica no México, já que, ao contrário do Brasil, a maioria dos setores de maior potencial exportador são de capital estrangeiro, e os lucros, assim como o suor dos trabalhadores mexicanos, vão, em sua quase totalidade, para o exterior.   

Tags: evidências, exemplo, exportador, informações, modelo, progresso

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.