Jornal do Brasil

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Coisas da Política

O próximo golpe

Mauro Santayana

Acionado o botão de “start” da balcanização e do esfacelamento da Ucrânia — criando um novo problema para a Rússia em suas fronteiras que Putin está enfrentando resolutamente — as atenções da direita fundamentalista e do “establishment” militar e de “inteligência” dos Estados Unidos voltam-se agora para a Venezuela.

Na semana passada, o general John Kelly — não confundir com o secretário de Estado, John Kerry — a maior autoridade do Comando Sul das Forças Armadas dos Estados Unidos, que abarca a América do Sul, Central e do Caribe  — compareceu ao Comitê de Assuntos Bélicos do Senado, em Washington, para falar da crise na Venezuela.

Kelly reconheceu que “não tem contato” com as Forças Armadas venezuelanas, assegurou que “por hora” elas seguem fiéis ao governo Nicolás Maduro, e sugeriu que, “provavelmente haja pressões, discussões e divergências dentro das Forças Armadas da Venezuela sobre a situação do país”.

Além disso, lembrou que até agora Maduro usou a polícia e não o Exército para controlar as manifestações, querendo dar a entender que o presidente da Venezuela não teria confiança em seus soldados — o que não quer dizer absolutamente nada, já que, na Venezuela, como no Brasil, a atribuição precípua das Forças Armadas é dedicar-se à defesa do país contra seus inimigos externos.                 

O fato de um general, e não um especialista civil, ou um diplomata, comparecer ao Congresso, para opinar — como um vice-rei — a propósito da situação na Venezuela, é indicativo de que a reativação da Quarta Frota norte-americana corresponde, de fato, à retomada do comportamento neocolonial dos EUA na América Latina.

Até mesmo um site, em espanhol e em português — instrumento que o Ministério da Defesa brasileiro ou o Conselho de Defesa da Unasul já deveriam ter implementado há tempos, voltados para o público militar — já foi colocado no ar pelo Comando Sul, veiculando notícias elogiosas sobre operações de polícias, exércitos e forças de segurança da América Latina, como tentativa de aproximação e cooptação.

Ao colocar um general para falar no Congresso, os golpistas da direita norte-americana estão jogando verde para colher — e derrubar — Maduro, dirigindo-se mais à Venezuela do que ao Legislativo dos EUA.

Ao colocar em dúvida a confiança do presidente venezuelano nas suas Forças Armadas, sua intenção é forçar Maduro a envolvê-las com o controle das manifestações para, eventualmente, provar sua lealdade — coisa que ele só fará se for néscio ou em caso derradeiro.

Ao informar que “até agora” as Forças Armadas venezuelanas são leais ao presidente eleito, ele quer, telegraficamente, sugerir que, se houver golpistas tentados a sublevar uma unidade, ou região, eles poderão contar com a simpatia e o apoio dos EUA.

Os Estados Unidos apostam, e torcem, há semanas — investindo firme em mídia — por rápida “maidanização” de Caracas, que possa derrubar o governo eleito e promover o caos e fragmentação do país, exatamente como ocorreu na Ucrânia.

Uma virtual guerra civil na Venezuela, com a mobilização dos mais pobres na defesa das conquistas sociais alcançadas por Chavez nos últimos anos, atrairia o envolvimento das vizinhas Farc e, indiretamente, até mesmo de  Cuba, no conflito.

O governo colombiano mobilizaria suas Forças Armadas para lutar contra as Farc em território da Venezuela, com o apoio dos soldados e “instrutores” que se encontram instalados, hoje, nas bases dos EUA na Colômbia. Isso abriria caminho para uma intervenção direta — e eventualmente temporária — dos EUA na região,  por meio da Quarta Frota, recentemente reativada, e do próprio Comando Sul, comandado pelo  próprio John Kelli.

Alguns podem achar que Washington não estaria preparado política e economicamente para entrar em um novo conflito. Para a direita fundamentalista dos EUA isso é o que menos importa.

Depois de afastar a ameaça chavista, destruindo e  balcanizando — como fez com o Iraque — a Venezuela, os EUA  poderiam se “retirar” do teatro de operações, tendo atingido três grandes objetivos geopolíticos:

Enfraquecer ainda mais a economia de Cuba, que dependeria do apoio russo caso quisesse apoiar Maduro; evitar que o petróleo venezuelano continue a ser usado, no futuro, no apoio a países que não rezam pela cartilha dos EUA; e inviabilizar ou atrasar, por décadas, o processo de união e de integração do continente sul-americano, que tem sido — como se viu na votação dos países da Celac na última reunião da OEA — firme e competentemente conduzido.  

Os EUA, no entanto, se enganam. Os estudantes venezuelanos querem reformas de Maduro, mas não entregar seu país a uma oposição teleguiada pró-norte-americana.

Não dá para aproveitar as condições da Venezuela para jogar etnia contra etnia, como está ocorrendo na Ucrânia, com os tártaros, os russos e  ucranianos — ou em outros países recém-“democratizados” pelos EUA, como o Iraque, com sunitas, xiitas e curdos; ou no Egito, com cristãos, cooptas e muçulmanos,   por exemplo.

No golpe na Ucrânia, existem indícios de que franco-atiradores armados, contratados pelos próprios manifestantes de extrema-direita, atiraram contra a multidão, para colocar a culpa no governo, e  levar à derrubada de Yanukovitch.

A mesma tática foi usada no último golpe na Venezuela, em 2002, quando se tentou derrubar Chávez pela primeira vez, acusando falsamente chavistas de terem atirado contra opositores.

O povo foi para a rua, Chávez, que tinha sido preso, foi libertado, e os integrantes do novo governo, em plena cerimônia de posse, pálidos de medo, tiveram que sair correndo do Palácio Miraflores.

Sobre isso foi feito, por jornalistas irlandeses, um magnífico documentário, que pode ser visto no link  https://www.youtube.com/watch?v=MTui69j4XvQ - É um trabalho extremamente  didático sobre o que ocorreu com a Venezuela no passado. E sobre o que — para o bem e para o mal — pode vir a acontecer no futuro.

Tags: balcanização, EUA, forças armadas, putin, russia, UCRÂNIA

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.