Jornal do Brasil

Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Coisas da Política

A proposta uruguaia

Mauro Santayana

Desde sua fundação, com o Tratado de Assunção, em 1991, o Mercosul (Mercado Comum do Sul) tem sido vilipendiado e atacado pelos inimigos da integração sul-americana.

Primeiro, por ter sido um dos fatores que mais contribuíram para a derrocada da Alca (Área de Livre Comércio das Américas), que pretendia que os países latino-americanos abrissem totalmente seu mercado aos Estados Unidos.

Se isso tivesse ocorrido, o Brasil estaria, hoje, na situação em que está o México, que cresceu no ano passado menos da metade do que o fizemos; que se considera um “player” global quando 90% de suas exportações vão para o Canadá e os EUA; que apenas maquia peças de terceiros com destino ao outro lado da fronteira e que, apesar de “exportar” mais que o Brasil, tem históricos déficits em seu comércio exterior, porque o salário de seus trabalhadores custa tão pouco que não basta para agregar valor às mercadorias que envia para outros países.

A baixa proporção do comércio exterior no PIB brasileiro, e no PIB do Mercosul, como um todo, deriva da aposta que por aqui foi feita, de se investir, prioritariamente, em nossa própria gente.

Os carros que fabricamos no Brasil não são feitos para serem vendidos aos norte-americanos, embora tenhamos exportado mais de 500 mil automóveis no ano passado. Um trabalhador brasileiro de linha de montagem pode comprar carros fabricados no Brasil. Os trabalhadores mexicanos de “maquiladoras” não compram os carros que fabricam. Compram carros usados dos EUA e Canadá, até porque no México — ao contrário do Brasil — não há lei alguma que proíba isso.

É importante pensar na diferença entre a situação mexicana e a brasileira, hoje, porque uma das principais linhas de ataque contra o Mercosul se baseia na sua comparação com a Aliança do Pacífico,  uma pseudo-organização criada com o beneplácito e o interesse norte-americano e espanhol, para incentivar a divisão dos países sul-americanos, e sabotar a expansão e consolidação do Mercosul em nossa região.     

No Brasil, costuma-se comparar os índices de crescimento da economia com os de países como o Peru e Chile, esquecendo-se que sua economia é infinitamente menor e menos complexa, e que fatores como a variação do preço do cobre bastam para alterar o PIB para cima ou para baixo, como é o caso do Chile, por exemplo.       

Além disso, os defensores da Aliança do Pacífico (AP) como grupo capaz de “enterrar” econômica e politicamente o Mercosul, se esquecem que a maioria dos membros da AP, Colômbia, Peru e Chile, já são Estados associados ao Mercado Comum do Sul, pertencendo,  portanto,  mesmo que não ainda na qualidade de membros plenos, à organização.

O Mercosul,  assim como a Unasul,  com o Conselho de Defesa da América do Sul, se insere no projeto maior de aumentar, pela integração, o poder econômico, político e militar da América do Sul, com relação a outros países, blocos e regiões do mundo.

É nesse contexto, de integrarmos nossos mercados internos, capacidade produtiva, e inserção geopolítica no século 21, que se coloca a decisão, anunciada ontem pelo governo uruguaio, de enviar, para aprovação pelo Parlamento, projeto assegurando residência automática a cidadãos nascidos em outros países do Mercosul.

Talvez, hoje, o país mais civilizado da América Latina, o Uruguai, para além da qualidade de vida da sua população — que se reflete em seus índices de saúde, expectativa de vida e educação — tem tomado corajosas decisões nos últimos tempos,  dando exemplo e abrindo caminho para a quebra de paradigmas que mantêm muitos de nossos países atados a um conservadorismo obscurantista e limitador.

Embora o governo Mujica esteja sendo ousado — o projeto oferece residência automática não apenas aos membros plenos mas também aos Estados associados do Mercosul — o que talvez venha a dificultar a aprovação da proposta, a ideia é interessante e revolucionária.

Com 200 dos 275 milhões de habitantes e 2.6 dos 3.6 trilhões de dólares do PIB do bloco, o Brasil não deve temer a abertura das fronteiras internas do Mercosul. Na semana passada, Bill Gates previu que por volta de 2035 todos os países do mundo serão relativamente ricos. Isso também irá ocorrer na América do Sul, principalmente se os recursos de seus países mais pobres — como os minérios do Peru, o gás da Bolívia, a eletricidade do Paraguai, o petróleo do Equador — forem utilizados para a redução da desigualdade e a melhora da qualidade de vida de seus habitantes.

Poderíamos, de qualquer forma, começar oferecendo reciprocidade ao Uruguai, dando residência automática a seus cidadãos, caso as mesmas condições forem aprovadas para cidadãos brasileiros se instalarem naquele país.

A proposta uruguaia é histórica. E pode ser o primeiro passo para a união efetiva da América do Sul.

Tags: alca, brasil, mercosul, México, tratado de assunção

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.