Jornal do Brasil

Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Ciência e Tecnologia

Gravidez em zoo da Califórnia pode salvar subespécie de rinoceronte

Jornal do Brasil

Uma fêmea de rinoceronte branco do sul está grávida após ser inseminada artificialmente em um zoológico da Califórnia, o que pode se traduzir em um grande passo para salvar uma subespécie quase extinta.

Pesquisadores do zoológico de San Diego informaram nesta quinta-feira que a rinoceronte Victoria foi inseminada em março e deverá produzir em 14 meses, no verão boreal de 2019.

O Instituto para a Conservação do Zoológico de San Diego explicou que o processo "é um grande passo no trabalho científico para recuperar geneticamente o rinoceronte branco do norte, uma subespécie distinta do rinoceronte branco do sul".

"Apenas dois rinocerontes brancos do norte existem na Terra (duas fêmeas)", destaca o zoológico.

Foto de dezembro de 2009 mostra rinoceronte branco sendo transportado

Barbara Durrant, diretora do instituto de ciências reprodutivas, esclareceu que ainda é cedo para saber se a gestação produzirá um rinoceronte saudável.

A inseminação artificial de rinocerontes não é um procedimento recorrente nos zoológicos. De fato, só há relatos de dois nascimentos por este método no passado.

Em 10 a 15 anos

Antes de se obter o nascimento de um rinoceronte branco do norte, deverão ser dados muitos passos, como decifrar seu genoma, para determinar a divergência genética com a subespécie mais próxima: o rinoceronte branco do sul.

Também é preciso criar, a partir de células conservadas de 12 rinocerontes do norte, uma célula mãe capaz de ser convertida em esperma e óvulos.

"Há muitos desafios pela frente, mas os pesquisadores estão otimistas de que a cria do rinoceronte branco do norte poderá nascer por este procedimento nos próximos 10 a 15 anos", assinalou o instituto.

"Este trabalho poderá ser aplicado a outras espécies de rinocerontes, como os de Sumatra e de Java, que estão em risco".

Sudan, o último rinoceronte branco do norte macho, morreu no Quênia em março passado, após sofrer uma série de infecções, deixando apenas duas fêmeas desta subespécie vivas.

Devido à demanda por seus chifres pela medicina tradicional chinesa, os rinocerontes foram alvo de caça ilegal desenfreada nos anos 70 e 80, o que aniquilou a população de rinocerontes brancos do norte em Uganda, República Centro-Africana, Sudão e Chad.

Uma população selvagem de entre 20 e 30 rinocerontes brancos do norte na República Democrática do Congo desapareceu durante a guerra civil no país, na década de 90, e em 2008 o rinoceronte branco do norte foi considerado extinto na natureza.

Agência AFP


Tags: animais, caça, espécie, ilegal, medicina, preservação

Compartilhe: