Jornal do Brasil

Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

Ciência e Tecnologia

'The Guardian': Burger King utiliza ração animal produzida em terras desmatadas do Brasil e Bolívia

Agricultores realizaram queimadas para fornecedores de soja da gigante de fast food

Jornal do Brasil

Matéria publicada nesta quarta-feira (1) pelo The Guardian afirma que o grupo Mighty Earth diz que drones aéreos, imagens por satélite e pesquisas de campo mostram que os agricultores realizaram queimadas para os fornecedores de soja da gigante de fast food.  

A cadeia de hambúrgueres Burger King tem comprado ração animal produzida em plantações de soja esculpidas pela queima de florestas tropicais no Brasil e na Bolívia, de acordo com um novo relatório.

Jacarés, tamanduás gigantes e preguiças foram afetados pelo desaparecimento de cerca de 700 mil hectares de terras florestais entre 2011 e 2015, acrescenta o Guardian.

> > The Guardian Burger King animal feed sourced from deforested lands in Brazil and Bolivia

O grupo Mighty Earth diz que provas coletadas através de drones aéreos, imagens por satélite, mapeamento da cadeia de suprimentos e pesquisa de campo mostram um padrão sistemático de queima de florestas. Agricultores locais realizaram a queima de florestas para cultivar soja para os fornecedores da Burger King, Cargill e Bunge, os únicos dois comerciantes agrícolas conhecidos por estarem operando na área.

Glenn Hurowitz, CEO da Mighty Earth, disse: "As conexões são bastante claras. Bunge e Cargill fornecem para Burger King e outros grandes vendedores de carne com grãos. McDonald's, Subway e KFC não são perfeitos, mas eles estão fazendo muito mais para proteger as florestas. Se o Burger King não responder imediatamente às pessoas que querem saber de onde vem sua comida, estas pessoas devem comprar em outro lugar ".

A destruição de florestas tropicais e savanas destacada no relatório concentra-se nas florestas de planícies da Bolívia e no Cerrado brasileiro, onde o ritmo do desmatamento está agora superando o da Amazônia, aponta a reportagem do Guardian.

No ano passado, cerca de 2 milhões de hectares de terras foram desmatadas no Brasil
No ano passado, cerca de 2 milhões de hectares de terras foram desmatadas no Brasil

Um dos fornecedores da Burger King compra soja da Bunge, que é originária do Cerrado brasileiro, de acordo com dados fornecidos pelo Instituto Empresarial de Estocolmo. A Cargill também patrocinou a convenção anual da Burger King em 2015 e doou uma quantia de cinco dígitos à Burger King McLamore Foundation em 2014.

No ano passado, cerca de 2 milhões de hectares de terras foram desmatadas no Brasil - ante 1,5 milhão em 2015 -, enquanto que na Bolívia foram esquecidas 865 mil hectares de florestas, contra 667 mil por ano na década de 2000.

A Burger King, de propriedade da empresa brasileira de investimentos 3G Capital, não divulga detalhes de seus fornecedores, mas se recusou a descartar a compra de produtos produzidos em terras desmatadas, informa o Guardian.

Sharon Smith, gerente de florestas tropicais da União de Cientistas, disse: "A Burger King é uma das maiores empresas de fast food do mundo, mas não se classifica de forma consistente na indústria quando se trata de políticas de proteção ambiental. A gigante de fast food precisa seguir seus concorrentes como o McDonald's e exigir que seus fornecedores não destruam florestas tropicais como parte de seu modelo de negócios ".

Em uma declaração escrita ao Guardian, a Cargill ressaltou seu compromisso de reduzir para metade as incidências de desmatamento em suas cadeias de suprimentos até 2020 e terminá-lo até 2030.

Uma declaração da empresa enviada ao Guardian disse: "No Brasil, temos visto grandes progressos com nossos parceiros para avançar na moratória da soja na Amazônia por mais de uma década. Hoje, estamos trabalhando com mais de 15 mil produtores de soja e colaborando com governos, ONGs e parceiros para implementar o código florestal brasileiro e avançar na proteção florestal ".

Os ativistas contestam que a Cargill se recusou a estender a moratória da soja para além da Amazônia, com sua associação comercial citando a falta de uma "situação de crise".

Burge também não respondeu ao jornal britânico.

Mais da metade da vegetação natural do Cerrado já foi desmatada, comparada a 25% da Amazônia, alerta o Guardian . Investidores que representam US $ 617 bilhões em ativos enviaram nesta terça-feira uma carta à Cargill, à Bunge e a várias cadeias de hambúrgueres, nas quais "exigem que as empresas reafirmem e aumentem seu compromisso sobre o desmatamento de areas específicas na América Latina".

Tags: comida, ecologia, economia, ecossistema, hambúrguer, natureza

Compartilhe: