Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Ebola é identificado pela primeira vez no Reino Unido, diz FT

Jornal do Brasil

Médicos de um hospital de Londres estavam se preparando no domingo para tratar um trabalhador de saúde britânico que contraiu ebola em Serra Leoa. Este seria o primeiro caso no Reino Unido desde que a epidemia começou, em fevereiro, publicou o jornal Financial Times (FT) nesta segunda-feira (25). O britânico foi evacuado pela Força Aérea Real para Northolt, no domingo (24), e estava previsto para ser levado para uma unidade de isolamento, especialmente equipada, no Royal Free Hospital, em Hampstead. 

O caso do Reino Unido segue o procedimento de um hospital em Atlanta na semana passada, onde de dois trabalhadores humanitários  foram tratados com um medicamento experimental após contrair Ebola na Libéria. No entanto, a droga, chamada ZMapp, não estará disponível para o cidadão do Reino Unido porque seu fabricante com sede na Califórnia diz que seus suprimentos limitados estão esgotadas, informa a publicação. 

O uso do medicamento em os trabalhadores americanos despertou debate ético porque ele não havia sido testada em seres humanos antes e não havia sido disponibilizado aos africanos com a doença. A OMS, posteriormente, decidiu que é eticamente permissível tentar usar medicamentos não testados para o ebola, mas os poucos que existem estão nos estágios iniciais de desenvolvimento com fontes muito limitadas disponíveis e nenhuma prova de que funcionam. 

>>Morre médico que recebeu remédio experimental contra ebola

>>Especialista acredita que vírus do ebola pode estar se adaptando e evoluindo

>>Vacina experimental contra o ebola está sendo estudada pela OMS

>>Droga experimental combate vírus ligado ao Ebola 

Estados Unidos destacaram que, na ausência de ensaios clínicos adequados, ninguém poderia ter certeza de que ZMapp foi responsável por sua recuperação, uma vez que 47% das pessoa infectadas durante o surto atual sobreviveu sem drogas. 

Enquanto as autoridades do Reino Unido insistiram que o trabalhador humanitário britânico possui risco mínimo para o público, existe um nervosismo na Europa sobre o risco de Ebola se espalhar para o continente. Houve falsos alarmes em vários países, incluindo a quarentena de 600 pessoas em um Centro de Emprego alemão por duas horas na semana passada depois que uma mulher apresentou sintomas parecidos com o do ebola, disse a publicação. 

O departamento de Saúde do Reino Unido disse que "Hospitais do Reino Unido têm um histórico comprovado de lidar com doenças infecciosas importados e este paciente será isolado e receberá o melhor atendimento possível",publicou o FT. 

Companhias aéreas cancelaram mais de um terço dos vôos internacionais para a Guiné, Libéria e Serra Leoa, em resposta ao surto. No entanto, os especialistas dizem que, embora casos esporádicos são possíveis fora da África, o risco de contágio mais amplo é baixo porque os padrões mais elevados de saúde e higiene tornaria mais fácil de conter a doença.

Desde fevereiro, quase 1.500 morreram até agora, e mais de 2.600 casos foram registrados, disse o jornal.  No entanto, a OMS alertou que esses números podem subestimar a escala do surto por causa da existência de inúmeras "zonas de sombra", que os trabalhadores da saúde não podem alcançar devido à falta de infra-estrutura ou a resistência da comunidade. 

Costa do Marfim e Senegal se juntou a vários outros países africanos em fechar suas fronteiras para os viajantes provenientes de países afetados pelo ebola, aumentando a desorganização econômica e social em uma das regiões mais pobres do mundo, comentou a publicação. 

Tags: ebola, internacional, OMS, primeiro caso, Reino Unido, vírus

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.