Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Poder aquisitivo e acesso levam Brasil a liderar ranking de cirurgia plástica

Agência Brasil

Publicação da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética desta semana aponta o Brasil como o país que mais fez cirurgias plásticas estéticas em 2013. Ao todo, foram mais de 11,5 milhões de procedimentos em todo o mundo. O Brasil foi responsável por 12,9%, cerca de 1,49 milhão. Em seguida, aparecem os Estados Unidos (12,5%), o México (4,2%), a Alemanha (3%) e a Colômbia (2,5%).

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, João de Moraes Prado Neto, um dos fatores que contribuíram para o Brasil ultrapassar os Estados Unidos no ranking foi a alta do poder aquisitivo de parte da população brasileira. Outro fator é o aumento do número de cirurgiões plásticos no país, o que levou a reduzir o preço dos procedimentos, tornando-os mais acessíveis.

A qualidade das cirurgias e o culto à beleza levaram o brasileiro a procurar a cirurgia estética.

Quando são considerados os procedimentos não cirúrgicos, como aplicação de botox e de preenchimento, os Estados Unidos continuam em primeiro lugar. O mais procurado é o botox.

Em todo o mundo, pouco mais de 87% dos procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos foram feitos em mulheres, de um total de mais de 20 milhões. Os mais procurados por elas são o aumento das mamas, a lipoaspiração, a cirurgia de pálpebra, a lipoescultura e o lifting de mama. Já entre os homens, a procura é maior pela cirurgia de nariz, a ginecomastia (redução das mamas), a cirurgia de pálpebra, a lipoaspiração e a cirurgia de orelhas.

Prado Neto alerta que quem quiser fazer uma cirurgia plástica deve consultar um especialista. A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica disponibiliza uma lista com nomes de profissionais habilitados. “Se o nome não estiver lá, não é cirurgião plástico”, disse.

“A pós-graduação para cirurgia plástica dura cinco anos. São 15.500 horas de atividades. Enquanto isso, alguns médicos fazem cursos de 400 horas e se dizem especialistas, não são. Podem produzir desastres, tragédias”, destacou.

Tags: cirurgiões, estética, internacional, procedimento, Sociedade

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.