Jornal do Brasil

Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

Ciência e Tecnologia

Vírus na Guiana Francesa transmitido pelo Aedes aegypti preocupa autoridades

Casos do Chikungunya no país vizinho acionam Ministério de Saúde a tomar medidas de prevenção

Jornal do BrasilRafael Gonzaga

Um vírus desconhecido para a maioria dos brasileiros trouxe recentemente preocupações para os órgãos públicos de saúde. Até esta terça-feira (27), o vírus Chikungunya que, assim como a dengue e a febre amarela, pode ser transmitido através do mosquito Aedes aegypti, já contaminou 122 pessoas na Guiana Francesa. Dos casos, 83 foram transmitidos dentro da própria Guiana e nenhum dos casos apresentou gravidade elevada ainda.

A preocupação inicial do Ministério da Saúde, de acordo com a Coordenadoria de Vigilância em Saúde do estado do Amapá, é a fronteira entre a Guiana Francesa e o norte do país. Por conta disso, o Ministério da Saúde pretende enviar na primeira semana de junho uma equipe que irá se reunir com técnicos do estado do Amapá para traçar estratégias de prevenção e controle, na iminência de um possível surto. Além dos técnicos do estado, a ideia é que essa equipe discuta as estratégias nos municípios de Macapá e Santana, Laranjal do Jarí e Oiapoque, sendo este último o município com maior território de fronteira com a Guiana Francesa.

Vírus Chikungunya também é transmitido pelo Aedes aegypti
Vírus Chikungunya também é transmitido pelo Aedes aegypti

O chefe de Vigilância em Saúde Ambiental, Rafael Xavier, ressaltou que até o momento nenhuma notificação de casos no Brasil foi feita, mas que a proximidade da Copa do Mundo deve deixar não só o Amapá como também outros estados de sobreaviso. “Nós temos receptividade para transmissão, ou seja, um dos principais atores, que é o Aedes aegypti. Se entrar alguém doente, nós teremos um quadro de vulnerabilidade epidemiológica”, explicou.

A assessoria de imprensa do Ministério da Saúde fez questão ainda de deixar claro que não há circulação do vírus causador da febre Chikungunya no Brasil. Os únicos três casos registrados dessa doença em território nacional ocorreram em 2010 foram notificados em estrangeiros que haviam contraído a enfermidade no exterior – na Indonésia e na Índia, que são países endêmicos da doença – mas acabaram só manifestando os sintomas e sendo diagnosticados no Brasil.

Entretanto, em virtude da recente circulação desse vírus no Caribe, o Ministério da Saúde garantiu a adoção de medidas de preparação nacional para identificação de possíveis casos. De acordo com a assessoria do Ministério da Saúde, técnicos estão prestando assistência aos municípios na área de controle de vetores e assistência aos pacientes, assim como estão também ajudando os gestores locais na elaboração de seus planos de contingência.

Além da presença do mosquito, fatores favoráveis para a disseminação do vírus é o clima da região Norte do país. Com a grande quantidade de chuvas que tem sido freqüente na região, o Aedes encontra condições favoráveis para a procriação. Focos de água parada e alagamentos aumentam a facilidade de transmissão do Chikungunya.

Sobre as estratégias de prevenção, Rafael Xavier diz que a Secretaria de Saúde do Amapá está aguardando esse contato com os agentes do Ministério de Saúde para que a melhor forma de divulgação da doença seja feita. “Nossa função é antecipar qualquer problema para tentar evitar ou, pelo menos, mitigar os reflexos da doença. O Ministério da Saúde está enviando equipes técnicas para os estados, já que não temos vivência com essa situação específica, para que no caso de algum suspeita já se possa entrar com ações de bloqueio epidemiológico”, disse.

Rafael Xavier explicou que os agentes do Ministério da Saúde irão apresentar informações específicas acerca do controle epidemiológico. O controle vetorial, como Rafael explica, é o mesmo feito com outras doenças relacionadas ao mosquito Aedes, que envolvem o combate do próprio agente transmissor.

Entre as ações do Ministério da Saúde, estaria o treinamento de médicos para atendimento de casos, a preparação de laboratório de referência para realizar o diagnóstico e, ainda, a divulgação de medidas de vigilância para as secretarias estaduais e municipais de saúde.

O vírus Chikungunya

Os sintomas iniciais apresentados pelas pessoas que contraem o vírus Chikungunya são febre acima de 39°C, fortes dores nas articulações de pés e mãos, dores fortes de cabeça, manchas vermelhas na pele e dores musculares.  Por conta da semelhança sintomática com os casos de dengue, é extremamente importante que tão logo os sintomas apareçam, o paciente procure assistência médica profissional.

Tags: aedes aegypti, amapa, chikungunya, doença, epidemia, ministério de saúde, mosquito guiana francesa

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.