Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Ciência e Tecnologia

Perfis do Twitter expõem racistas, machistas e homofóbicos

Portal Terra

João foi o primeiro brasileiro a compartilhar mensagens alheias na rede social para expor o preconceito de seus autores. O perfil, criado meses antes do "A minha empregada" (que chegou a repercutir no exterior nesta semana), foi o ponto de partida para o monitoramento de outras palavras-chave na rede - machismo, homofobia, transfobia e preconceito contra pessoas acima do peso são alguns deles.

"Eu procuro por comentários que ouço de forma recorrente no trabalho, no ambiente familiar, nas ruas", diz João. Segundo ele, frases como "serviço de preto", "preto fede" e "neguinha favelada" são mais comuns do que se imagina e mostram que o conceito de "preconceito velado" atribuído aos brasileiros não se confirma na internet. "O que mais me impressiona é a quantidade de jovens que aparecem nas minhas buscas", afirma. "Dizer que alguém tem 'cara de empregada' está na boca da criançada."

São adolescentes entre 15 e 18 anos os principais responsáveis pelos comentários preconceituosos. João tem um palpite: "É triste, mas não sei se é algo dessa geração. Esses comentários sempre foram comuns entre a classe média. Talvez porque jovens usem menos filtro na hora de destilar preconceito."

Inspirada na atitude de João, a estudante Gabriella Ramos, 21, resolveu monitorar e expor machistas na rede. "Os que mais me chocaram até hoje foram os que continham piada com estupro e violência à mulher", diz a jovem criadora do "Não sou machista". Ela dá exemplos. "Não é estupro. É sexo-surpresa", escreveu um jovem de Manaus. "Não é estupro se ela usava blusa aparecendo a barriga", afirmou um rapaz de São Paulo. "Se vocês acham minha namorada gostosa é porque não a viram pelada. Só não estupro porque não preciso", disse outro, um brasileiro que mora na Califórnia.

Diferente dos outros perfis, Gabriella costuma engatar longas discussões com seus adversários machistas. "Não adianta se esconder atrás da liberdade de expressão para disseminar discurso de ódio", ela explica. "O trabalho de exposição é algo importante, é uma denúncia que nós fazemos. Choca? Incomoda? É essa a intenção."

Com apenas 17 anos, o estudante Nicholas criou a página "Não sou transfóbico". A dinâmica é a mesma: ele pesquisa e compartilha mensagens de ódio contra travestis e transexuais. "Comecei nessa semana depois do 'A minha empregada'. Eu vi o perfil e achei a ideia muito legal. Aí fui procurar algo do tipo sobre transfobia, porque eu sofro na pele, e não achei nenhum", conta. 

Nicholas acredita que as pessoas tenham "menos filtro" na internet do que nas ruas. "Como dizem algo online e acham que tem menos consequências que na vida real, todo mundo sai esculachando. Mas para mim isso não faz sentido: bizarrices ditas na internet são públicas e ficam registradas pra sempre."

Outro perfil é dedicado exclusivamente à homofobia (o ódio contra gays e lésbicas). Com a descrição "Não sou homofóbico. Tenho até amigos gays, mas..." o perfil já publicou mais de 700 mensagens agressivas contra homossexuais. "As lésbicas são erotizadas por homens o tempo inteiro. Isso também é um tipo de violência", alerta o autor. Recentemente, ele compartilhou uma mensagem de maio do ano passado que dizia: "É lésbica mas quer virar hétero? Estupro corretivo é a correção".

O autor respondeu, afirmando que a mensagem era antiga e que o retweet da página "Não sou homofóbico" era apenas para chamar atenção. "Procê ver", respondeu o autor. "As m**** que são faladas na internet não se perdem com o tempo. Melhor não falar da próxima vez, né? :)"

Há dois meses, o perfil "Só faz gordice" passou a monitorar um tipo de preconceito pouco comentado no Brasil. Ela compartilha frases como "Odeio ver gordas de legging" ou "Se as gordas que usam roupas justas pagassem multa por poluição visual, nós já não estávamos na crise à bastante tempo".

Diferente dos outros autores, que buscam privacidade, a criadora de "Só faz gordice" publica fotos próprias, sem medo de ser feliz. "Beijinho no ombro gordofóbicos! As banhas são MINHAS, mostro quando, se e pra quem EU QUISER!" era a legenda de uma das mais recentes.

Tags: homofobia, internet, preconceito, Racismo, tecnologia, Twitter

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.