Jornal do Brasil

Domingo, 31 de Agosto de 2014

Ciência e Tecnologia

Cientistas descobrem comunidade de bactérias na placenta

Jornal do Brasil

Uma matéria da revista Science desta semana relata que pesquisadores descobriram uma pequena comunidade de bactérias que vivem num lugar bastante improvável: a placenta, o órgão que nutre o feto em desenvolvimento através do cordão umbilical. Essa nova descoberta derruba a sabedoria convencional de que a placenta é estéril. O estudo sugere ainda que estes micróbios podem ser provenientes da boca, afirmando que uma boa higiene oral pode sem importante para uma gravidez saudável.

A placenta é uma massa em formato de panqueca que fica ao lado do útero que fornece oxigênio, alimentos, e a remoção de resíduos de um feto. Médicos especialistas há muito tempo assumiram que todas as bactérias encontradas no órgão devem ter sido pegas quando passou pela vagina após o parto. Mais recentemente os pesquisadores perceberam que um bebê tem uma comunidade de bactérias no seu intestino quando nasce. E essas bactérias não coincidem com aquelas na vagina, o que sugere que elas vem de alguma outra fonte, como a placenta, dizem os especialistas.

Esta análise revelou baixos níveis de um conjunto diversificado de bactérias, principalmente a nondisease, que causa cepas de Escherichia Coli, que dominam o trato intestinal e também outros cinco grandes grupos.

A revista diz ainda que surpreendentemente as mistura de bactérias na placenta mais parecia o microbioma na boca de um ser humano adulto. Os pesquisadores dizem que os micróbios podem chegar à boca da mãe através de seu sangue, talvez quando se escova os dentes. Essa possibilidade é intrigante, porque há uma correlação bem conhecida entre doença periodontal e o parto prematuro. A matriz de bactérias na placenta é diferente em mulheres que deram á luz mais cedo, antes de 37 semanas.

Os cientistas alertam que ainda é muito cedo para falar exatamente como o microbioma placentário chegou lá e o que ele está fazendo. A bactéria pode ter nascido no  útero antes da gravidez e evoluído, ficando semelhante com as bactérias da boca. 

Tags: bactérias, boca, pesquisas, revista, science

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.