Jornal do Brasil

Quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Ciência e Tecnologia

OMS declara estado de alerta em relação à poliomielite

Jornal do Brasil

Uma matéria da revista Science desta semana relata que, citando circunstâncias "extraordinárias", a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que a disseminação internacional do poliovírus selvagem é uma emergência de saúde pública e de preocupação internacional. É apenas a segunda vez que a OMS declara uma emergência, dizendo que a recente exportação de poliomielite, a partir de três nações, para as áreas adjacentes pode ameaçar os esforços globais para erradicar a doença.

Segundo as novas recomendações, que não são juridicamente vinculativas, mas carrega um enorme peso, os três países considerados como os que representam o maior risco de propagação são o Paquistão, Camarões e a Síria, que devem agora garantir que todos os residentes e visitantes se vacinem contra a pólio antes de deixar o país. A OMS também está incentivando os outros sete países que se sabe terem infecções de pólio a implementar medidas semelhantes.

Esta é apenas a segunda vez que tal emergência foi declarada sob o Regulamento Sanitário Internacional, adotado em 2005; a primeira foi durante a pandemia de gripe suína H1N1, em abril de 2009.

Parar se prevenir a propagação da pólio, requer uma resposta internacional coordenada, concluiu por unanimidade o Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional. “Se a situação estiver desmarcada, isso pode resultar no fracasso global da erradicação da pólio”, uma das mais graves doenças evitáveis ??por vacinação do mundo".

A matéria diz também depois de um ano excepcional em 2012, quando os casos de poliomielite no mundo estavam em um período de baixa, a situação deteriorou-se drasticamente em 2013, quando foram notificados 417 casos. E neste ano até agora, três das 10 nações conhecidas por terem poliomielite e exportar o vírus fora de suas fronteiras, do Paquistão ao Afeganistão, de Camarões para a Guiné Equatorial, e da Síria para o Iraque. Este diferencial é particularmente alarmante, de acordo com a comissão, porque ocorreu durante a “época baixa”, de janeiro a abril, quando a transmissão da poliomielite geralmente tem refluxos; a alta temporada começa em maio ou junho.

As consequências de uma maior disseminação são grandes, avisou o comitê, por causa do grande número de “Estados frágeis e dilacerados por conflitos”, atualmente a poliomielite é livre, mas onde a vacinação de rotina é baixa e onde montar uma resposta eficaz seria especialmente difícil.

A partir de agora, o comitê recomenda que Paquistão, Camarões e Síria garantam que todos os moradores se vacinem contra a poliomielite, tanto com a vacina oral como com a vacina inativada contra poliomielite, entre 4 semanas e 12 meses antes de deixar o país. Nos casos de viagem urgente, a vacinação deve ser assegurada pelo menos até ao momento da partida. Em um aceno sobre a dificuldade de garantir o cumprimento, quando tantos refugiados estão fugindo da guerra civil na Síria, países vizinhos Síria já exige que todos os refugiados registrados sejam vacinados. No entanto muitos refugiados não são registrados.

Da mesma forma, a implementação dessas recomendações na fronteira porosa entre o Afeganistão e o Paquistão poderia ser impossível.

A comissão também recomenda medidas ligeiramente menos rigorosas para os países que estão atualmente infectados, mas não tenham exportado pólio este ano: Afeganistão, Guiné Equatorial, Etiópia, Iraque, Israel, Somália e Nigéria. Lá a OMS diz que os governos devem “encorajar” em oposição a "garantir" que todos os residentes e visitantes de longo prazo sejam vacinados antes de deixar os países.

Tags: fronteira, revista, science, Surto, vacinação

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.