Jornal do Brasil

Terça-feira, 29 de Julho de 2014

Ciência e Tecnologia

Será que o céu tem um filtro com defeito? 

Jornal do Brasil

Quando os cientistas pensavam que eram os piores dias da camada de ozônio e foram pesquisar, verificou-se o que pode ser uma grande ameaça para a sua saúde. Descobertas que serão publicadas em breve sugerem que o mecanismo natural que filtra o ar que sobe para o céu pode não funcionar tão bem como se pensava anteriormente. Se estudos posteriores confirmarem os resultados, o filtro defeituoso também pode ter grandes implicações para o clima global. É o que relata uma matéria da revista Science.

A matéria explica que o céu é dividido em duas camadas principais: a troposfera perto da superfície da terra e estratosfera, que nos trópicos começa há 17 mil metros acima dele. Além de fornecer o ar que respiramos e a experiência de tempo, a troposfera é atada com um composto chamado radical hidroxila-OH que abrevia os poluentes como átomos de bromo e gotículas de sulfatos chamadas de aerossóis. Ele neutraliza a maioria deles antes que eles possam chegar à estratosfera, impedindo-os de danificar a camada de ozônio e causar estragos no clima global.

Mas o novo trabalho liderado por cientistas do Instituto Alfred Wegener (AWI), em Potsdam, na Alemanha, sugere que o filtro OH pode não ser tão confiável quanto se pensava. Em 2009, os cientistas do AWI realizaram um cruzeiro de investigação no pacífico oeste, onde tempestades fortes empurram o ar da troposfera para a estratosfera, servindo como a principal fonte de ar para a camada superior. Porque o ozono na troposfera é um precursor para OH, eles implantaram balões de tempo equipados com dispositivos de medição conhecidos como sondas para medir a quantidade de ozono no ar a partir da superfície para a estratosfera. Quanto mais ozônios encontraram, eles pensaram, quanto maior o nível de OH, um produto químico notoriamente difícil de medir diretamente.

Normalmente, a quantidade de ozônio na estratosfera varia de 30 a 100 partículas de ozônio por bilhão de moléculas de ar. Mas os pesquisadores, liderados pelo cientista atmosférico do AWI, Markus Rex, encontraram níveis no pacífico oeste abaixo de 10 partículas por bilhão de ozônio, tão baixo que os seus instrumentos não puderam mesmo obter uma contagem precisa. "A primeira sonda eu realmente pensei que estava com defeito", diz Rex. "Nós não esperamos ver um buraco tão profundo e amplo em termos de ozônio." Mas as medições ao longo de 3000 km de largura de faixa, e até uma altitude de 15 km, mostrou que a falta de ozônio chegou a todo o caminho até a estratosfera inferior. Isso indica que os níveis de OH na troposfera pode ser muito menor do que se pensava, e seu efeito de filtragem menos pronunciado.

A descoberta pode ter amplos impactos na nossa compreensão de como a estratosfera funciona, diz James Anderson, um químico atmosférico da Universidade de Harvard. Se o filtro OH da troposfera é de fato menos eficaz do que os cientistas pensavam, o Pacífico oeste constituiria uma "avenida potencialmente muito importante para a injeção" de poluentes que podem danificar a camada de ozônio, diz ele. E isso poderia explicar por que estudos anteriores medida maior do que os níveis esperados de produtos químicos que danificam a camada de ozono na estratosfera, diz Rex. Por exemplo, "nós sempre soubemos que há mais de bromo na estratosfera do que poderíamos explicar." Um erro de cálculo da força de filtro do OH pode explicar a discrepância.

As implicações climáticas também podem ser amplas. A poluição por aerossóis de enxofre, criado através de queima de carvão, está subindo rapidamente no Sudeste Asiático. Na estratosfera, sulfatos fornecem uma máscara de resfriamento temporário que se espalha no mundo e tem duração de alguns anos. Se Rex estiver certo, isso pode significar que a poluente refrigeração tem uma rota mais fácil para a estratosfera do que se pensava, embora seu estudo não calcular os impactos climáticos específicos do filtro defeituoso.

Outros pesquisadores não estão convencidos. A Cientista atmosférica Laura Pan, do Centro Nacional para Pesquisa Atmosférica em Boulder, Colorado, diz que as medições do ozônio são apenas uma sugestão de níveis de OH na troposfera, não é prova. "É preciso verificar a medida" estudando o OH diretamente, diz ela. Ela completou recentemente uma campanha de campo na mesma região do Pacífico oeste usando aeronaves que vão dar mais dados sobre o assunto, mas os resultados ainda não estão disponíveis. A equipe do AWI, enquanto isso, em breve começará um projeto de € 5.000.000 em Palau, no Pacífico ocidental, financiado pela União Europeia, para tomar mais medidas de substâncias químicas na atmosfera que irão ajudá-lo estimar o OH em níveis melhores.

Tags: céu, Climáticas, filtro, revista, science

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.