Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

Ciência e Tecnologia

EUA: alerta sobre derramamento de petróleo no Ártico 

Jornal do Brasil

Com a crescente ânsia de explorar os recursos de petróleo e gás do Ártico, cresce também a ameaça de um grande vazamento de petróleo no Ártico, e os EUA tem muito trabalho a fazer para se preparar para essa inevitabilidade, diz um relatório do Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). O comitê, composto por membros da academia e da indústria, recomendou aumento dos procedimentos de sistemas de previsão para as condições do oceano e do gelo, infraestrutura para as cadeias de fornecimento para as pessoas e equipamentos para responder, pesquisa de campo sobre o comportamento do petróleo no ambiente do Ártico, e outras estratégias para preparar-se para um derramamento significativo nas duras condições do Ártico. É o que relata uma matéria da revista Science desta semana.

A matéria diz que o relatório "identifica as diferentes peças que precisam se unir" para ser ter uma chance de uma resposta eficaz para o derramamento de óleo, diz Martha Grabowski, pesquisadora em sistemas de informação do Le Moyne College, em Syracuse, Nova York, e presidente da comissão NRC.

Mesmo na ausência de exploração de petróleo e gás no Ártico, tem se intensificado rapidamente o tráfego de barcaças, navios de pesquisa, petroleiros, ou de passageiros de cruzeiros, e isso faz com que o derramamento de petróleo seja cada vez mais provável. Assim, "o comitê sentiu alguma urgência" sobre o assunto, diz o geólogo Mark Myers, vice-reitor de pesquisa da Universidade do Alasca, Fairbanks. O relatório, patrocinado por 10 organizações que vão desde o American Petroleum Institute à Comissão de Mamíferos Marinhos, focado principalmente em águas territoriais dos Estados Unidos ao norte do Estreito de Bering, incluindo os mares de Chukchi e Beaufort.

A limpeza do petróleo no Ártico é particularmente complicada por uma série de razões, observa o comitê. As condições climáticas extremas são um problema. A falta de muitos tipos de alta resolução e dados de topografia batimetria ao longo das costas; medições da cobertura de gelo e espessura; distribuições no espaço e no tempo de peixes da região, pássaros e mamíferos marinhos, entre outras. E se acontece uma emergência, não há infraestrutura no local, sem a presença da Guarda Costeira dos EUA, consistente e sem cadeias de suprimentos confiáveis ??para apoiar uma resposta rápida.

Em cima disso há pouca informação real sobre como o próprio petróleo do Ártico (em vez de um amálgama de um oleoduto, como agora é testado) vai se comportar na coluna de água fortemente estratificada do Ártico, o que poderia evitar derrames profundos e não alcançar a superfície. Ainda há a questão persistente do quão eficaz é a química ou micróbios mastigando petróleo no ambiente do Ártico frígido. E quase nada se sabe sobre como petróleo e os gelos do mar vão interagir. "Gelo realmente muda tudo", diz Myers. Um pouco de óleo pode fazer o seu caminho no gelo, só para mais tarde se tornar líquido novamente quando o gelo derrete; alguns podem permanecer presos debaixo dele, movendo-se com o não gelo ou possivelmente. "Nós temos muito poucas observações do ambiente de sub-gelo", diz ele.

O relatório apela para a modernização da infraestrutura do petróleo, estudos adicionais e mais coordenação entre as agências, indústrias, universidades e outras nações do Ártico. Grabowski também enfatizou a necessidade de padronização, de coleta de dados e de partilha, de exercícios de derramamento de óleo e respostas.

Quem iria coordenaria e quem pagaria por tudo isso, ainda são questões não resolvidas. Grabowski observa que ela e os membros de seu painel recomendam parcerias públicas privadas, a coordenação interinstitucional, e trabalhar, por exemplo, com as comunidades locais para desenvolver e treinar equipes em aldeias locais. "Mas em termos de quadro global", diz ela, "Eu acho que essa é uma questão totalmente aberta. E obviamente ligada a questão de recursos. Podemos identificar muitas ideias para um quadro, mas sem os recursos adequados que provocam uma dificuldade real.”

Ainda assim, em meio à enxurrada de relatórios relacionados ao Ártico, enviados a Washington, DC, nos últimos anos, o comitê espera que suas recomendações permaneçam. Ao cavar "profundamente na ciência", Myers diz: "sentimos poderia ser uma boa fonte de autoridade que as pessoas podem usar para ajudar a tomar decisões”.  

Tags: cavar, pesquisa, Petróleo, revista, science

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.