Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Previsões mais sofisticadas sobre o clima global

Jornal do Brasil

Para qualquer pessoa consciente da disputa diplomática e do impasse interno sobre a mudança climática, a mais recente avaliação das perspectivas para a limitação é previsivelmente sombria. Evitando a mudança climática arriscada "exige uma transformação fundamental do sistema de abastecimento de energia", conclui um resumo do relatório do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado em 13 de abril. Até agora a humanidade "não fez muito" para atingir esse objetivo, disse Rejendra Pachauri, Presidente do IPCC, em uma coletiva de imprensa. É o que relata uma matéria da revista Science desta semana.

Mas o relatório além de alarmante tem ladainhas de metas inalcançáveis??. Baseando-se em novos modelos sofisticados que refletem as últimas pesquisas sobre tecnologias de energia, economia e fatores sociopolíticos, aponta para surpreendentes ganha-ganha: políticas e tecnologias que possam atingir cortes significativos nas emissões de gases de efeito estufa, a um custo político e econômico aceitável. Como IPCC o coautor e economista Reyer Gerlagh, da Universidade de Tilburg, na Holanda, explica: "hoje em dia podemos fazer um relatório completo de custo benefício e análise, incluindo os co-benefícios. Nós não poderíamos fazer isso há 10 anos”.

O relatório com cerca de 2000 páginas é a última das três enormes tentativas do IPCC para avaliar a pesquisa de clima que é realizada desde 2007.  A primeira sobre o sistema climático físico foi lançada em setembro passado; a segunda, sobre os impactos do clima, foi revelada no mês passado. Desde a última avaliação, o crescimento econômico e o crescente uso global de carvão têm impulsionado emissões cada vez mais elevadas. As emissões globais de dióxido de carbono (CO2) ou seu equivalente foram 7 bilhões de toneladas maiores entre 2000 e 2010 do que na década anterior.

Os "modelos de avaliação integrada" é o que sustenta o relatório de entregar a notícia desanimadora. Eles permitem que os pesquisadores examinem como a política pode inflar o custo de se chegar a um objetivo muito citado: estabilizar as concentrações de CO2 em 450 partes por milhão (o nível atual é de cerca de 400 ppm) até 2100, uma meta que daria ao planeta um tiro limitando o aquecimento global a 2°C. Por exemplo, os modelos mostram que restringir o uso de biocombustíveis, devido a preocupações de que a cultura de combustível competindo com alimentos pode aumentar os custos em 44% a 78%, em comparação com os cenários de mitigação mais agressivos. A oposição à captura e armazenamento de tecnologia (CCS), que captura dióxido de carbono emitido por usinas de energia e em seguida bombeia no subsolo, levou a temores sobre vazamentos, o carbono poderia aumentar os custos em 29% a 297%.

Mas o relatório sugere que ambas as tecnologias podem ser importantes para reduzir as emissões futuras. Isso porque os modelos mostram que uma abordagem chamada bioenergia com CCS, ou BECCS, pode trazer benefícios apreciáveis ??a custos relativamente baixos. BECCS envolve fazer biocombustíveis a partir de plantas que já sugaram o carbono da atmosfera, e em seguida, capturar e armazenar as emissões da queima de combustíveis. "Se nós estamos tentando algumas destas metas inferiores, os modelos realmente gostam do BECCS", diz Clarke, embora ele observa que a abordagem ainda não foi testado em escala. O relatório diz que a semelhança de BECCS às tecnologias existentes é uma vantagem, e que é por isso que a compreensão do custo de potencialmente bloquear o seu desenvolvimento é importante.

Modelos melhorados também estão ajudando pesquisadores a quantificar os benefícios das políticas já em vigor, incluindo algumas que não necessariamente são voltadas para o clima. Por exemplo, a China está se movimentando agressivamente para reduzir a poluição do ar para melhorar a saúde pública e aumentar a eficiência energética de limitar as importações de combustível. Estudos sugerem que esses esforços estão fornecendo um co-benefício: eles estão se movendo na direção do país com fontes de emissões zero como a eólica e a solar. "Os Co-benefícios estão nesses países com razão, muito poucos países estão fazendo política climática por causa do clima", diz o cientista político David Victor, da Universidade da Califórnia, em San Diego.

Da mesma forma, o relatório sugere que os esforços agressivos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa poderiam ter seus próprios co-benefícios. A Mitigação poderia limpar o ar, salvando o equivalente a 10 milhões de vidas até 2030 em comparação com um cenário menos agressivo, concluiu um estudo citado no relatório do IPCC. Outro estudo descobriu que os benefícios monetários da melhoria da saúde humana seria mais ou menos equilibrar o custo da redução de emissões. "Se você pegar os impactos na saúde em conta economicamente faz as mudanças climáticas atenuante muito mais acessíveis”, diz o co-autor do IPCC Keywan Riahi do Instituto Internacional para a Análise de Sistemas Aplicados em Laxenburg, Áustria.

Mas depois de muitos anos assistindo esses vislumbres de esperança, cientistas que estudam o clima estão cautelosos, diz Christopher Field, um ecologista da Carnegie Institution for Science, em Palo Alto, Califórnia, que co-liderou o segundo relatório. "É difícil para eu decidir se quero ser otimista ou pessimista."

Tags: aquecimento, clima, Mundo, revista, science

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.