Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Vírus Ebola se espalha pela África

Jornal do Brasil

Os primeiros casos foram reconhecidos. O Ebola nunca antes tinha sido visto na Guiné, então quando as pessoas ficavam doentes com febre, dores musculares, vômitos e diarreia, os agentes de saúde, falavam que era febre de Lassa ou febre amarela, que são endêmicas na região. Ninguém conseguiu juntar as peças até o final de março. E o vírus até então havia se espalhado por meses. Agora os agentes de saúde estão lutando para conter o surto, que já matou mais de 100 e afetou pelo menos dois países vizinhos. Ao mesmo tempo, os cientistas estão vasculhando os bosques, e o genoma do vírus em si, à procura de pistas sobre como esta cepa conhecida na África Central, acabou tão indo para oeste, e se a sua propagação sugere que as pessoas em áreas florestais em toda África subsaariana estão em risco. É o que relata uma matéria da revista Science desta semana.

O Ebola não é um estranho na África Ocidental. Em meados da década de 1990, dois surtos em chimpanzés no Parque Nacional Taï, na Costa do Marfim, e um pesquisador que estuda os animais foram infectado. "Esperávamos encontrar a tensão Taï", diz Sylvain Baize, virologista do Instituto Pasteur, em Lyon, França, que com seus colegas sequenciaram algumas das primeiras amostras do vírus da Guiné. Para sua surpresa, acabou sendo o Ebola Zaire, a mais mortal das cinco espécies conhecidas de Ebola.

"Nós não temos nenhuma ideia de como o vírus migrou da África Central para a Guiné", diz o primatologista Christophe Boesch, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig, na Alemanha. Os principais suspeitos são os morcegos frugívoros. Em florestas tropicais da África Central, várias espécies têm mostrado sinais de infecção por Ebola sem ficar doente. E pelo menos uma das espécies, o pequeno morcego colarinho, Myonycteris torquata, voa até a Guiné. "Nós sempre suspeitamos dos morcegos", diz William Karesh da EcoHealth Aliança, em Nova York, que estuda as interações entre os seres humanos, animais e doenças infecciosas.

"Precisamos ver se o Ebola está circulando em morcegos na floresta da Guiné", diz Baize. Se assim for, os morcegos ao longo das florestas da África Ocidental provavelmente são portadores do vírus, o que colocaria cerca de 150 milhões de pessoas com risco de infecção da doença. A ameaça não é particularmente elevada, como os surtos são raros. Mas as pessoas de toda a região devem ser alertadas sobre os perigos potenciais de morcegos alimentares e outra carne de caça, e os trabalhadores de saúde que precisam ser treinados para identificar sintomas do Ebola tão surtos pode ser interrompido mais rapidamente.

A matéria informa que em 1 º de abril uma equipe montada por Boesch e Fabian Leendertz, epidemiologista da vida selvagem no Instituto Robert Koch em Berlim, começou o levantamento em seis locais no sul da Guiné. Leendertz com mais três veterinários alemães e oito especialistas da biosurvey guineenses da organização sem fins lucrativos, Fundação selvagem de Chimpanzé, irá capturar os morcegos para pesquisas, a fim de encontrar o vírus Ebola, ao mesmo tempo pesquisarão também as populações de chimpanzés, macacos, antílopes florestais, ou outros animais, um sinal de que a doença poderia estar circulando nessas espécies.

Os pesquisadores também vão usar uma técnica relativamente nova para monitorar áreas florestais: coletar as moscas de sopro, que se alimentam de carniça, e analisar o DNA que persiste desde as suas refeições recentes. A carne de macaco, por exemplo, é comum em entre as moscas, então macacos pode ter sido atingido pelo Ebola.

Mesmo com uma dezena de pesquisadores vasculhando a floresta por um mês, as chances são longas de encontrar respostas sólidas, diz Leendertz. "Nosso maior desafio será encontrar o ponto certo", diz ele, por que não ficou claro onde os primeiros casos humanos se originaram. "Teremos que ter sorte."

Embora os morcegos possam ter transportado o vírus para o oeste da África Central, eles não podem ser infectados diretamente os seres humanos. No caso claro de transmissão ao homem de Ebola já foi comprovado, Karesh observa, e espécies intermediárias podem transmitir o vírus a partir de morcegos a humanos. Outros surtos humanos têm sido associados a surtos em grandes símios, macacos e antílopes, uma espécie de antílope da floresta. Também é possível que o vírus tenha passado pela região há décadas, mas nunca provocou um surto notável.

Outra pista para a origem do vírus virá quando seu genoma completo está disponível. Ao determinar o quão perto ele está relacionado com os vírus encontrados em outros surtos, Baize e outros vão tentar estimar se o surto na Guiné faz parte de uma recente onda de Ebola Zaire, se movendo por todo o continente, ou se foi mais provável circulando silenciosamente na África Ocidental durante anos.

A revista finaliza a matéria informa que enquanto isso, os profissionais de saúde só podem cuidar e dar suporte aos pacientes, tentar impedir a propagação de novas vítimas. Os pesquisadores estão perto de uma vacina e tratamentos que poderiam ser usados ??em um surto, diz o virologista Heinz Feldmann, do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas "Rocky Mountain Laboratories, em Hamilton, Montana. Mas as dificuldades de realização de ensaios clínicos ou a introdução de técnicas experimentais em um cenário de emergência são assustadores. Uma vacina ou tratamento para o surto "é viável" em menos de dois anos, diz ele. "Mas eu estou com medo de a próxima vez que o surto acontecer, ainda falarmos isso."

Tags: ebola, revista, science, vacina, vírus

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.