Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Ciência e Tecnologia

Estudo relata que cigarros eletrônicos não ajudam a parar de fumar 

Jornal do Brasil

A controvérsia sobre os cigarros eletrônicos reacendeu com a publicação de um estudo afirmando que eles não ajudam os fumantes a parar seu hábito.

Se o "e-cigarros" são uma ajuda eficaz na cessação do tabagismo tem se tornado uma questão importante para o rápido crescimento da indústria que produz os dispositivos e para os pesquisadores de tabaco que lutam para avaliar o seu impacto. Há um consenso generalizado de que a inalação de um e-cigarro, onde um elemento de aquecimento vaporiza um líquido contendo nicotina, não é tão prejudicial quanto fumar um cigarro convencional, e os defensores dizem que os produtos poderiam salvar milhões de vidas. Mas alguns pesquisadores e ativistas de controle do tabaco temem que os dispositivos façam uso do tabaco parecer socialmente aceitável, e não poder ajudar as pessoas a realmente reduzir a sua dependência, é o que relata uma matéria da revista Nature desta semana.

Pamela Ling pesquisadora da Universidade da Califórnia, em San Francisco, e seus colegas acompanharam 949 pessoas que detalharam seus hábitos de fuma e constatou que 88 dos que tinham usado os e-cigarros não eram mais propensos a desistir ou reduzir o uso do cigarro após um ano do que outros fumantes. "Descobrimos que não houve diferença na taxa entre fumantes que usaram um e-cigarro e aqueles que não", mesmo após o controle de fatores como a dependência do usuário sobre o tabaco.

 

Salvador dos fumantes?

Peter Hajek diretor da Unidade de Dependência de Pesquisa do Tabaco nos Barts e da Escola de Medicina e Odontologia de Londres, diz que muitos pesquisadores acreditam que os e cigarros representam "a melhor esperança até agora para colocar um fim a morte relacionada ao tabagismo e doenças, substituindo cigarros mortais com uma alternativa mais segura”.

Hajek diz que o novo trabalho sobre o e-cigarros, mostra apenas estudos feito com fumantes que estão fortemente dependentes de tabaco. Os mesmos resultados seriam obtidos se o inquérito olhasse para fumantes que tentam tratamentos de reposição de nicotina, diz ele, e os resultados não têm relação se os e-cigarros são ou não são um método eficaz de cessação do tabagismo. As conclusões dos autores do sorteio papel são "simplesmente não relacionados de alguma forma com a constatação de estudo", diz Hajek.

A matéria também relata que a regulamentação do e-cigarros é uma área extremamente debatida. Alguns cientistas querem os produtos como dispositivos médicos, o que significaria que eles estariam sujeitos a controles de qualidade resistente e limites à publicidade, e que os seus fabricantes teriam de fornecer provas para sustentar as reivindicações feitas por seus produtos, tais como a capacidade de ajudar a cessação tabágica. Tanto os Estados Unidos quanto o Reino Unido estão considerando tal regulamento.

Mas outros cientistas dizem que essa regulamentação pesada pode matar a indústria nascente, ou deixá-la nas mãos das grandes empresas de tabaco, que têm os bolsos fundos necessários para cumprir com os regulamentos.

Vaughan Rees, vice-diretor do Centro de Controle Global do Tabaco na Harvard School of Public Health, em Boston, Massachusetts, diz que muitos e-cigarros existentes não entregam nicotina suficiente para suportar a troca total dos cigarros convencionais. Ele acrescenta que o estudo "oferece um complemento importante para o crescente corpo de pesquisa que sugere que os e-cigarros não são particularmente bons para parar de fumar.”.

Tags: Cigarros, controle, fumo, nature, revista

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.