Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Genes do câncer complicam os esforços de cura do HIV

Jornal do Brasil

Um tratamento anti HIV feito em um bebê infectado 4 horas após seu nascimento, que depois não mostrou mais o vírus, aumentou as esperanças da cura do HIV. Mas talvez a descoberta mais reveladora atingiu uma nota de advertência, revelando como o HIV persiste silenciosamente no corpo mesmo quando a infecção parece ter sido vencida. Esse trabalho também levanta questões sobre o risco de câncer em pessoas que utilizam drogas anti-HIV, é o que relata uma matéria da revista Science desta semana.

A criança de Long Beach, Califórnia, espelha o famoso caso do "bebê do Mississippi". Essa criança também foi submetida a remédios antirretrovirais logo após o nascimento, mas há 23 meses a criança não tem feito o tratamento, e até agora não tem nenhum sinal de retorno do vírus. Neste novo caso, a criança de 9 meses de idade, continua em tratamento. "A notícia é muito prematura para nos animar", diz o virologista Douglas Richman, da Universidade da Califórnia, em San Diego.

A razão para Richman e outros serem tão cauteloso, é que o vírus da AIDS é como uma barata proverbial que sobrevive a uma explosão nuclear. O HIV pode se esconder dentro de células profundas, tecendo seu DNA em cromossomos humanos, impermeável às drogas e ao ataque do sistema imunológico, enquanto ele permanece dormente. Piscinas dessas células latentes infectadas, ou reservatórios, podem sobreviver por décadas e tornaram-se a ruína de tentativas de curar a infecção por HIV.

A revista diz que os dois estudos detalharam um novo mecanismo que ajudará a explicar como reservatórios persistem. O enigma abordado pelo novo trabalho é o seguinte: Em pessoas infectadas pelo HIV em tratamentos poderosos que fecha completamente a produção de novos vírus, por que não todas as suas células infectadas desaparecer dentro de poucos anos, como as células do sistema imunológico de longa duração morrem? Uma possibilidade é que algumas células infectadas continuam a produzir novos HIVs que conseguem desviar de medicamentos antirretrovirais e infectam as células virgens, e constantemente encher a piscina. Evidências sugerem que isto ocorre ocasionalmente, principalmente no tecido que as drogas têm dificuldade em chegar, mas muitos pesquisadores duvidam que isso aconteça rotineiramente. A explicação mais provável, eles acreditam, é que as células infectadas fazem cópias de si mesmas, um processo conhecido como clonagem proliferação homeostático.

Os dois novos estudos examinaram células de sangue colhidas em diferentes pontos no tempo, de um total de oito pessoas infectadas pelo HIV que receberam tratamento antirretroviral durante 14 anos. Os investigadores determinaram a localização precisa na qual o ADN de HIV tinha integrado em mais de 2500 casos.

Quando uma pessoa é infectada com o HIV, o vírus faz milhões de cópias de si mesmo, que passam a infectar novas células. No genoma de cada nova célula, o vírus integra o seu material genético, em grande parte de forma aleatória, com o resultado de que o DNA viral pode ser encontrado em milhões de diferentes locais em toda a população de células. Mas isso não é o que os pesquisadores descobriram em seus pacientes em longo prazo. O virologista clínico Thor Wagner, da Universidade de Washington (UW), Seattle, como explicado em três deles, 40% dos locais de integração foram idênticos em duas ou mais células. Isso sugere que as células infectadas foram duplicadas em si mesmas, mantendo o ADN viral no seu local original de integração.

"Proliferação homeostática tem sido uma teoria há muito tempo", diz Wagner, que trabalha com a equipe da pediatra Lisa Frenkel e o virologista James Mullins. "Nós pensamos que esta é a melhor prova ainda que ela ocorra." Anne-Mieke Vandamme, um virologista epidemiológico do Instituto Rega para Pesquisa Médica, em Leuven, na Bélgica, concorda, dizendo: "estes são dados muito, muito emocionantes.”.

Uma equipe liderada por Stephen Hughes, diretor do Programa de Resistência do Instituto Nacional do Câncer, HIV Drogas em Frederick, Maryland, encontrou mais ou menos as mesmas coisas em seus cinco pacientes. "Os locais de integração que vimos não são aleatórios", diz Hughes. De fato, em uma pessoa, cerca de metade das células do sangue infectadas tinham DNA do HIV integrado no mesmo lugar exato no DNA humano.

A forma de seleção natural explica a predominância de alguns sites de integração. Os pesquisadores sugerem que os clones no reservatório ganham uma vantagem evolutiva se o HIV tem integrado seu genoma em locais que aceleram o crescimento em uma célula primeiro passo para o câncer. O grupo de Hughes mostrou dramaticamente isso com um paciente que teve 15 integrações separadas em um período relativamente curto.

Apesar das crescentes evidências que revelam taxas mais altas de câncer em pessoas infectadas pelo HIV que recebem tratamento em longo prazo, as causas têm sido difícil de serem definidas por causa dos efeitos da idade, medicamentos antirretrovirais e outros fatores de confusão. “Eu suspeito que isso esteja estar ligado as pessoas com HIV que têm mais casos de câncer, mas que ainda não provaram isso", diz Frenkel , também do UW Seattle.

Wagner diz que as descobertas de ambos os grupos põe em causa a estratégia de “chutar e matar” que tenta limpar o reservatório. Vários grupos de pesquisa estão testando drogas que visam chutar o processo de transcrição em marcha e forçam células latentes infectadas para produzir vírus, a ideia é que as células infectadas morram quando liberar o vírus, enquanto os antirretrovirais vão enxugar as HIVs libertadss. Wagner, no entanto, teme que as células chutadas simplesmente ponham em marcha acima a proliferação homeostática. "Eu acho que você precisa de estratégias para atingir diretamente as células infectadas”, diz ele.

A conexão de câncer pode segurar uma pista. Pesquisa sobre o câncer hoje tenta eliminar seletivamente as células cancerosas e não prejudicar as saudáveis, mas a aplicação dessa estratégia para o HIV é uma tarefa difícil. "Eu não sei qual será a solução”, diz Wagner.

Tags: CÂNCER, Células, HIV, revista, science

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.