Jornal do Brasil

Quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

Ciência e Tecnologia

Teste sanguíneo poderá identificar doença de Alzheimer

Jornal do Brasil

A doença de Alzheimer deverá triplicar em 2050, afetando 115 milhões de pessoas no mundo. Não há cura ou tratamento ainda para a condição neurodegenerativa, mas muitos médicos e cientistas dizem que as drogas que falharam até agora vão funcionar se aplicadas mais cedo, uma estratégia que requer o diagnóstico da doença antes de desenvolver os sintomas. Agora, uma equipe de pesquisa descobriu um grupo de moléculas no sangue que eles dizem que pode prever com 90% de precisão se as pessoas mais velhas irão desenvolver a doença ao longo de 2 a 3 anos. Embora esse teste não esteja pronto para uso geral, a técnica poderá ajudar a recrutar pessoas que correm maior risco de desenvolver a doença de Alzheimer, e indicará os tratamentos possíveis, é o que relata uma matéria da revista Science desta semana.

Além de analisar a autópsia do cérebro de uma pessoa, existem dois métodos aceitos de diagnosticar a doença de Alzheimer, diz Douglas Galasko, neurocientista da Universidade da Califórnia (UC), San Diego, School of Medicine. Uma dessas técnicas é a varredura no cérebro, que mostrará imagens para detectar as placas de proteínas características e emaranhados no tecido cerebral que marcam o transtorno. As outras técnicas medem os níveis destas proteínas através da extração de fluido a partir da medula espinhal. Poucas pessoas querem se submeter a esse procedimento doloroso, porque ambas as técnicas são caras e não muito precisas, especialmente nos estágios iniciais da doença de Alzheimer, os pesquisadores passaram décadas procurando por um teste baseado no sangue, que seja menos invasivo, e mais acessível. Até agora esses esforços não obtiveram "sucesso", diz Galasko.

Para descobrir moléculas do sangue que podem sinalizar o aparecimento da doença de Alzheimer em pessoas idosas, uma equipe da Universidade de Georgetown e várias outras instituições, recrutaram idosos de 70 anos e com mais idade, em comunidades de aposentados de Nova York e Califórnia. Eles recolheram amostras de sangue e enviaram para um laboratório com um espectrômetro de massa, a fim de quantificar com precisão a composição química das amostras de sangue dos idosos.

A matéria diz que ao longo de 3 anos, os pesquisadores acompanharam a saúde mental dos idosos, e identificaram 53 pessoas com comprometimento cognitivo leve ou a doença de Alzheimer, 18 dos quais não haviam exibido quaisquer sintomas no início do estudo. Quando completou os 3 anos, eles voltaram a analisar as amostras de sangue e compararam com as amostras das pessoas que desenvolveram os sintomas da doença de Alzheimer, com os 53 idosos do grupo que permaneceram saudáveis. No grupo cuja saúde mental tinha declinado, houve alterações significativas nos níveis sanguíneos de 10 produtos químicos diferentes, incluindo moléculas de gordura, chamados de fosfolipídios, que ajudam a manter as membranas celulares do cérebro e do corpo intacto.

Para verificar se suas observações não eram apenas um evento aleatório, a equipe testou se o mesmo padrão alterado poderia prever se outros 41 idosos das mesmas comunidades, tinham desenvolvido a doença de Alzheimer, e descobriram que ela atingiu a marca de 90% do tempo. Apesar desses resultados encorajadores, Howard Federoff, neurocientista da Universidade de Georgetown em Washington, DC, diz que o teste precisa de mais validação. "Esta é uma nova observação, é preciso que seja estendido e replicado em um grupo independente de indivíduos."

Outros são igualmente cautelosos. "Nós não sabemos se será um grande negócio ou não" até que outros grupos repliquem o estudo, concorda Michael Weiner, um neurocientista da Universidade da Califórnia, San Francisco. A população de pessoas com doença de Alzheimer é tão diversificada, que são repletas de problemas de saúde, que pode revelar que embora o teste seja bom em detectar as pessoas que estão em risco, ele irá descobrir muitas outras condições em que o processo será útil como uma ferramenta de diagnóstico. Se for esse o caso, o teste ainda pode ser utilizado para rastrear pessoas para ensaios clínicos de prevenção de drogas de Alzheimer para a doença, diz ele.

Tags: condições, revista, sangue, science, teste

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.