Jornal do Brasil

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Programa de computador permite que os cegos “vejam” com som 

Jornal do Brasil

Um homem cego desde o nascimento está tem um novo hobby surpreendente: a fotografia. Sua nova paixão é graças a um sistema que transforma imagens em sequencias de som. A tecnologia não só dá "visão" para o cego, mas também questiona a forma como os neurologistas falam que o cérebro está organizado, é o que relata uma matéria na revista Science desta semana.

Em 1992, o engenheiro holandês Peter Meijer criou Voz, um algoritmo que converte imagens em tons de cinza simples em sonoridades musicais. O sistema digitaliza imagens da esquerda para a direita, a conversão forma as imagens em som, uma vez que varre, com posições mais altas na imagem que corresponde a frequências de som mais altas. Por exemplo, uma linha diagonal que se estende para cima a partir da esquerda para a direita, torna-se uma série de notas musicais ascendente. Enquanto as imagens mais complexas, como uma pessoa sentada em uma cadeira de gramado, num primeiro momento parecer um ruído truncado, com treinamento os usuários podem aprender a "ouvir" cenas do cotidiano.

Em 2007, o neurocientista Amir Amedi e seus colegas da Universidade Hebraica de Jerusalém começaram a formação dos que nasceram cegos para uso da voz. Apesar de não ter pontos de referência visuais, depois de apenas 70 horas de treinamento, os indivíduos passaram de "ouvir" os pontos e linhas simples para "ver" as imagens integrais, como rostos e esquinas, composto por 4500 pixels (Para efeito de comparação, o jogo Mario da Nintendo foi composto de apenas 192 pixels em sua primeira aparição de vídeo game). Anexando uma câmera acoplada à cabeça a um computador e fones de ouvido, os usuários cegos eram capazes de navegar em torno de um quarto, sozinhos, só com sinais sonoros. A cada poucos passos que o sistema tira uma foto e converte em som, dando aos usuários os seus rolamentos, enquanto atravessam mesas e latas de lixo. Um paciente ainda pegou a fotografia, utilizando o sistema de head-mounted para enquadrar suas fotos.

O programa de treinamento também dedica 10 horas para reconhecer silhuetas humanas representadas pelo som. Ao final do treinamento, os participantes puderam detectar a postura exata da pessoa representada pela paisagem sonora e replicar a pose.

A matéria revela também que quando os pesquisadores mapearam as atividades cerebrais dos participantes, eles descobriram algo surpreendente. O modelo geralmente aceito do cérebro contém regiões dedicadas a cada sentido, como o córtex visual, visão centrada. Os pesquisadores há muito tempo acreditavam que se essas regiões não são utilizadas para o sentido pretendido, são reutilizadas para outros fins, por exemplo, o córtex visual de alguém cego de nascença poderia ser usado para ajudar a aumentar a sua audiência. Mas Amedi e seus colegas descobriram que a área do córtex visual, responsável ??por reconhecer as formas do corpo na visão para as pessoas chamadas a com atividade nos participantes do estudo, quando foram interpretar as silhuetas humanas iluminada área do corpo do extra.

Amedi diz que o modelo tradicional do cérebro sensorial organizado não pode explicar essa atividade, afinal, os sujeitos só ouvem a informação, e os cientistas acreditavam que a área de reconhecer o corpo não desenvolveu sem experiências visuais durante o desenvolvimento. A Neurocientista Ella Striem-Amit, da Universidade de Harvard, coautora do papel, acha que é hora de um novo modelo. "O cérebro, ao que parece, é uma máquina de tarefas, não uma máquina sensorial", diz ela. "Você tem áreas que processam as formas do corpo com qualquer entrada que dá ao córtex o visual, e não apenas processa a informação visual."

Ione Belas, neurocientista da Universidade de Washington, Seattle, que estuda mudanças no cérebro, diz que o trabalho do Amedi é a melhor prova já existente sobre funcionalidade das áreas do cérebro que fazem o mesmo trabalho, mesmo com diferentes tipos de entrada. "A ideia de que a organização do cérebro das pessoas cegas é um análogo direto com a organização do cérebro das pessoas que enxergam é um extremo de um que tem uma elegância, que raramente você realmente ver na prática", diz ela. "Se esta hipótese for verdadeira, esta é uma forte evidência de que temos um profundo conhecimento sobre o cérebro." Em um modelo de cérebro alternativa orientada para a tarefa, as partes do cérebro responsáveis ??por tarefas semelhantes, tais como a fala, leitura e linguagem estariam intimamente ligados entre si.

A Equipe de Amedi lançou recentemente um sucessor de Voz, Chamado EyeMusic, Como um aplicativo Gratuito para iPhone. O Novo Algoritmo Produz toneladas, mais Agradáveis e pode até mesmo fornecer Informativos de cor.

Tags: cegos, estudos, revista, science, som

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.