Jornal do Brasil

Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Ciência e Tecnologia

Pesquisas indicam que Elefantes são empáticos

Jornal do Brasil

Os Elefantes africanos e asiáticos têm sido considerados animais empáticos, é que diz uma matéria da revista Science desta semana. Eles ajudam bebês elefantes presos em buracos de lama, usam suas trombas para levantar outros elefantes que são feridos ou estão morrendo, e ainda tranquilizam elefantes individuais em dificuldades com um toque suave de sua tromba. Mas é uma coisa para testemunhar algo que se parece com consolo, e outro para provar que isso é o que os elefantes estão fazendo. Agora os cientistas têm demonstrado que os elefantes africanos, de fato ficam angustiados quando eles veem outros Elefantes em dificuldade, e eles chegam para consolá-los, assim como o ser humano faz quando veem alguém sofrendo. Os elefantes juntam-se a uma pequena lista de outros animais, incluindo macacos, caninos, e algumas aves, que os cientistas têm mostrado para tranquilizar outros.

O estudo "é o primeiro a investigar as respostas ao sofrimento dos elefantes asiáticos", que "é inerentemente difícil de avaliar, porque a pessoa tem que esperar as oportunidades surgirem espontaneamente", diz Shermin de Silva, ecologista comportamental do Projeto de Pesquisa Uda Walawe Elephant no Sri Lanka. Não seria ético criar intencionalmente situações de estresse para os animais como um teste, observa ela, é por isso que, até agora, os pesquisadores tiveram que confiar em observações bem documentadas, mas anedóticos de elefantes selvagens e cativos para fazer backup de alegações de que eles tranquilizam o outro.

Joshua Plotnik, ecologista comportamental da Universidade de Mahidol, Kanchanaburi, na Tailândia, e Frans de Waal, primatologista da Universidade Emory, em Atlanta, conseguiram contornar este problema, comparando o comportamento dos elefantes asiáticos durante períodos de estresse para os períodos em que eles pouco se aborreceram. De 1 a 2 semanas a cada mês durante quase um ano, Plotnik gastou de 30 a 180 minutos por dia assistindo e gravando 26 elefantes asiáticos cativos. Os animais com idades entre 3 e 60 anos de idade que vivem dentro de uma área de 30 acres, Elephant Nature Park, no norte da Tailândia. A maioria dos elefantes, não foram relacionados e não vivem em grupos familiares como os elefantes selvagens fazem. Ao invés vez disso, Mahouts do parque, ou o responsável, organizou-os em seis grupos, que depois guiados através de banhos de rotina diários e alimentados na parte da manhã, e amarrados a noite. Mas durante o dia, os elefantes foram deixados sozinhos para passear e pastar à vontade.

Plotnik observou os elefantes durante seus períodos livres e registrou suas reações a eventos estressantes, como um cachorro andando nas proximidades, uma cobra na grama, ou a presença de um elefante hostil. Outros pesquisadores já haviam demonstrado que quando perturbado, um elefante inflama as orelhas e ergue sua cauda, e pode também emitir o som de trompete ou um rugido, ou fazer um estrondo baixo para mostrar a sua aflição. Quando os elefantes no parque viram outro elefante se comportando desta maneira, os observadores normalmente responderam "adotando a mesma emoção", Plotnik diz: "Assim como fazemos quando assistindo a um filme de terror juntos. Se um ator tem medo, nós pegamos nas mãos uns dos outros”, uma reação conhecida como" contágio emocional”.

Por exemplo, em uma das gravações foi visto que a Elefante mãe fêmea, Perm, corre para o lado de outra fêmea adulta, a Jokia, que estava chateada depois de ouvir o rugido de um elefante em cativeiro em um outro parque nas proximidades. Ambos os elefantes inclinaram os ouvidos para frente e levantaram o rabo, mas a Mãe Perm fez isso só depois de ver o sofrimento de Jokia. “A Mãe Perm também fez silvos altos, que são conhecidos por serem tranquilizadores, e depois acariciou Jokia com a tromba, finalmente, um ato de Jokia que “poderia enviar um sinal:” Eu estou aqui para te ajudar, não machucar você ‘“, disse Plotnik. Jokia por sua vez, colocou a tromba na boca da Mãe Perm, gesto que é, provavelmente, como um abraço, dizem os pesquisadores.

Algumas vezes, vários elefantes estavam presentes quando se assustavam com alguma coisa. Esses espectadores tipicamente reagiram da mesma maneira, adotando o comportamento agitado da vítima, como Plotnik chama o indivíduo aflito, levantando suas caudas, queimam seus ouvidos, e às vezes urinam e defecam enquanto chilrear. Em alguns casos, eles também formaram um círculo protetor em torno da vítima.

Plotnik registrou 84 estresses desse tipo, observando o ocorrido, a hora do dia, o tempo, e que outros elefantes estavam presentes, e como essas pessoas reagiram. Para um controle ele comparou estes incidentes em períodos com tantas variáveis ??correspondentes possíveis, mas nada estressante ocorreu. Os pesquisadores 'subsequente hoje em PeerJ, mostrou que os elefantes sofrem de "contágio emocional e distintivo, comportamentos tranquilizadores aconteceu quase que exclusivamente em resposta a algum gatilho estressante.

Os elefantes pareciam capazes de reconhecer angústia em seus companheiros, um comportamento que pode exigir a empatia. "É a capacidade de colocar-se emocionalmente no lugar do outro", diz Plotnik.

Mas provando que o que os elefantes estão fazendo será ainda mais estudado, ele e os outros dizem, e de preferência nos selvagens, e não em cativeiro. "O que está claro é se essa garantia beneficia principalmente o animal aflito, ou os que responderam", diz de Silva.

No entanto, o estudo "oferece uma interessante primeira exploração" para o "comportamento pós-socorro de elefantes", diz Graeme Shannon, ecologista comportamental, do Colorado State University, Fort Collins, acrescentando que os resultados são "intrigantes, paralelo o que foi observado em primatas não humanos, em cativeiro e selvagens, destacando ainda mais as habilidades cognitivas complexas de elefantes.”

Alguns pensam que o trabalho pode ajudar os esforços de conservação. "Qualquer boa ciência que suporta a ideia de que os elefantes são seres sensitivos, capazes de ter empatia, é importante", acrescenta Moss, um etólogo e diretor do Projeto de Pesquisa da Amboseli Elephant no Quênia, que tem observado "comportamentos de resseguro" diariamente entre os elefantes, há mais de 40 anos.

Tags: elefantes, estudo, revista, science, selva

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.