Jornal do Brasil

Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Ciência e Tecnologia

EUA: parcerias combatem Alzheimer, diabetes e lúpus

Jornal do Brasil

Incrementando os seus esforços na descoberta de drogas, o National Institutes of Health (NIH) revelou hoje o que chamaram de um adicional de US$ 230 milhões, em uma parceria de 5 anos sem precedentes, com 10 empresas farmacêuticas com vista a encontrar novos tratamentos para a doença de Alzheimer, diabetes, artrite reumatoide e lúpus, revela uma matéria da revista Science desta semana.

A matéria relata que o diretor do NIH, Francis Collins anunciou para representantes da indústria, grupos de pacientes e funcionários federais, o Acelerar Medicamentos Partnership (AMP). O objetivo é reduzir a taxa de insucesso superior a 95%. Através da combinação de forças, empresas e acadêmicos esperam cortar custos e acelerar o processo, com novos dados genômicos e moleculares sobre a biologia da doença para encontrar os novos alvos de drogas mais promissoras. "Este é um trabalho muito grande para um único grupo", disse Collins.

As 10 empresas, que incluem gigantes como a Glaxo SmithKline, Merck, Eli Lilly e Sanofi, vão colocar cerca de metade dos US$ 230 milhões; NIH está fornecendo a outra metade. AMP, que também envolverá grupos de pacientes, será supervisionado pela Fundação para o NIH. Embora a fundação já supervisione várias parcerias público-privadas semelhantes, esta será mais abrangente, os participantes dizem. Presidente mundial de Pesquisa e Desenvolvimento da Pfizer, Mikael Dolsten, explicou: "O que nós gostaríamos de ter é um... GPS para doenças humanas."

Collins disse que o NIH passou mais de dois anos em "intensas discussões" com empresas para montar a parceria, e isso tem um significado pessoal. Como diretor do Instituto do Genoma do NIH, Collins ajudou a liderar o esforço de sequenciamento massivo que produziu o primeiro rascunho do genoma humano em 2001. O Projeto Genoma Humano já foi criticado por não conseguir melhorar sensivelmente cuidados médicos ou reduzir os custos. Por exemplo, os pesquisadores descobriram mais de 1000 variantes genéticas que apontam para proteínas que predispõem algumas pessoas à doença. Mas apenas cerca de meia dúzia de alvos terapêuticos promissores saíram desse esforço, Collins observa.

O problema, diz Collins, não é uma falta de candidatos, mas o desafio de triagem através AMP vai fazer isso, reunindo cientistas acadêmicos e da indústria para "um dilúvio de informações." Os participantes vão compartilhar dados abertamente. (Em alguns casos, o acesso será restrito a pesquisadores, a fim de proteger a privacidade do paciente.) Para as empresas, a recompensa virá mais tarde, quando eles desenvolverem compostos para bloquear os alvos de drogas recentemente identificados. 

Os projetos incluem:

Doença de Alzheimer- US$ 130 milhões, o projeto receberá a maior parte do financiamento da AMP. Ele vai olhar para novos biomarcadores para a progressão da doença, tais como dados de imagem ou moléculas no sangue e fluido espinhal. Os biomarcadores serão estudados como parte de quatro ensaios clínicos NIH- financiados, que estão testando maneiras de retardar ou impedir a doença. O projeto também vai analisar amostras de tecido cerebrais existentes a partir de pacientes com Alzheimer para validar alvos biológicos, desenvolver modelos de rede para início tardio de Alzheimer, e os compostos de tela contra novos alvos.

Diabetes tipo 2: esse projeto US$ 58 milhões reunirão dados genéticos e clínicos em até 150 mil pacientes, alguns contribuíram por empresas, e compartilharam essas informações através de um portal web. Um dos objetivos é entender mais detalhadamente as complicações do diabetes, como a insuficiência renal, diz Dolsten. O projeto também vai procurar raros indivíduos com doença invulgarmente grave ou leve que poderia ser estudado para validar alvos.

A artrite reumatoide e lúpus: um dos principais objetivos do projeto de 42 milhões de dólares será analisar células isoladas a partir de amostras recém- colhidas de tecidos, particularmente a partir da membrana sinovial (articulações forro de tecido), para entender melhor essas doenças autoimunes em um nível molecular e buscar novos alvos de drogas.

AMP segue outras iniciativas NIH nos últimos anos para acelerar o desenvolvimento de medicamentos, tais como a criação há 2 anos atrás de um novo Centro Nacional de Promoção da Ciência Translacional ( NCATS ). Por exemplo, a NCATS lançou um projeto em que as empresas trabalham com pesquisadores acadêmicos para encontrar novos usos para drogas abandonadas. A NCATS não está diretamente envolvida com a AMP, em vez disso, três instituto do NIH de doenças específicas irá financiar os projetos, disse Collins.

Ainda este ano, os institutos vão lançar pedidos de propostas para buscar parceiros acadêmicos. Os investigadores que ganham as concessões, então, tornar-se parte de comitês diretores doença articular. Se AMP for bem sucedida, NIH espera que vai se expandir para outras doenças, finaliza a revista.

Tags: Alzheimer, artrite, doenças, empresas, lupus

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.