Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Mulher que chegou aos 24 kg luta contra anorexia: 'já me sinto bonita'

Aline Alves, de 34 anos, está há quatro meses internada e luta para recuperar o peso

Portal Terra

Foram quatro meses no hospital e a ex-gerente de restaurante Aline Alves da Silveira Souza, 34 anos, que mora em Bauru, no interior de São Paulo, viu sua vida mudar radicalmente. Ela sofre de anorexia nervosa e está internada no Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP, em São Paulo, onde faz tratamento contra a doença. No período mais crítico do distúrbio alimentar, ela chegou a pesar 24 kg e a família entrou em desespero. 

Entre os únicos alimentos ingeridos por Aline na época estavam mamão, biscoito, água e isotônico. Por intermédio da filha de uma prima, o caso chegou ao conhecimento de uma médica psiquiatra, que solicitou internação com urgência. 

A imagem da mulher magra e com os ossos já muito visíveis chocou a psiquiatra que prestou os primeiros atendimentos e conseguiu um leito de internação na Santa Casa de Piratininga, município vizinho a Bauru, onde dá plantões. Porém, Aline precisaria de atendimento especializado e a família buscou o auxílio da imprensa. A vaga para internação no HC-SP surgiu dias depois. Hoje, a ex-gerente de restaurante está superando as dificuldades do tratamento contra a anorexia e já voltou a comer normalmente. No cardápio, estão frutas, verduras, legumes e carnes. Ela conta que se alimenta a cada três horas e que está próximo do peso considerado ideal para uma pessoa com 1,56 m de altura.

"Tem dias que parece que eu estou gorda, que a minha barriga está imensa. E nesses dias preciso ter muito cuidado. Só que eu aprendi alguns métodos, eu converso com alguém, eu coloco para fora de alguma maneira esse sentimento", diz
"Tem dias que parece que eu estou gorda, que a minha barriga está imensa. E nesses dias preciso ter muito cuidado. Só que eu aprendi alguns métodos, eu converso com alguém, eu coloco para fora de alguma maneira esse sentimento", diz

?“Eu posso comer de tudo, só que em pouca quantidade. Nada muito forte, como uma feijoada ou empadão, que eu gosto muito. Nada que vá pesar no meu estômago”, conta Aline. A alta médica deve acontecer em breve. A estimativa é que Aline saia do hospital em fevereiro, assim que alcançar a meta estipulada pelos médicos, que é de 45 kg. Depois dessa fase, ela terá acompanhamento ambulatorial uma vez por semana. 

Para quem sofre de anorexia, ganhar peso é motivo de ansiedade e pode agravar os sintomas. Por isso, a mãe dela, Terezinha Alves da Silveira Costa, diz que a família não sabe o atual peso de Aline e foi orientada pelos médicos a monitorá-la, evitando que ela consiga essa informação. “É uma regra do tratamento, para o paciente não ficar sabendo de jeito nenhum o peso que está para que não tenha nenhuma recaída”, explica Terezinha.

“Tem dias que parece que eu estou gorda, que a minha barriga está imensa. E nesses dias preciso ter muito cuidado. Só que eu aprendi alguns métodos, eu converso com alguém, eu coloco para fora de alguma maneira esse sentimento”, diz. Por conta dos bons resultados obtidos, Aline recebeu o aval dos médicos para passar o réveillon com a família em Bauru. Ela também tem autorização para ficar alguns finais de semana com eles e até a autoestima já foi resgatada. Antes ela preferia esconder o rosto, hoje não mais. “Já me sinto bonita. Tenho vontade de me arrumar, coisa que eu não fazia. Não tinha vaidade nenhuma”, comemora ela. 

Com a guinada que deu nos últimos meses em sua vida, Aline está cheia de planos. Entre eles, está estudar e quem sabe até abrir um negócio próprio. “Não vejo a hora de voltar pra casa, ficar com a minha filha. Não vejo a hora de esse pesadelo acabar. Eu falo pesadelo porque foi muito ruim. Não vejo a hora de tudo acabar para eu poder tocar a minha vida. Quero voltar a estudar, trabalhar com o que eu gosto, que é gastronomia, e quem sabe até ter o meu próprio restaurante”, disse, entusiasmada. “A única recompensa que eu quero dela é a cura. É a cabeça dela boa, porque o resto eu corro atrás”, concluiu a mãe.  

Exemplo

Com a repercussão do caso na imprensa, Aline virou exemplo de superação para mulheres que enfrentam o mesmo problema. Quando a família ainda procurava uma vaga de internação para o tratamento e Aline estava internada na Santa Casa de Piratininga, o caso foi exibido pela Rede Record, em reportagem do programa Hoje em Dia. Na ocasião, ela foi convidada a conhecer o estúdio da atração matinal assim que se recuperasse. Aline prometeu se esforçar.

Na última quinta-feira (23), dia do aniversário de Terezinha, a jovem conseguiu um dia de “folga” do hospital para aproveitar a companhia da mãe. As duas cumpriram a promessa de Aline e participaram ao vivo do programa nos estúdios da emissora na Barra Funda, em São Paulo. Ela pôde enfim conhecer o ídolo, o apresentador Edu Guedes. “Foi um sonho realizado, estou muito feliz. Me deu força para continuar. E eu vou ter meu restaurante e ele vai lá comer comigo (risos)”, brinca Aline que até cozinhou com o apresentador. 

“Ela está ajudando muita gente no hospital. Tenho certeza que tem muita gente lá que está passando pelo mesmo problema que ela. E a Aline diz que o sonho dela também é ajudar as outras pessoas, que possam se espelhar nela e conseguir reverter essa situação”, incentivou Edu Guedes durante o programa.Aline adianta que pretende dar palestras para homens e mulheres que têm a mesma doença que ela. Teresinha, que precisou largar toda a sua vida no Rio de Janeiro para cuidar da filha, conta que também estará disponível para ajudar os pais de jovens que sofrem desse distúrbio. “Conheço como ninguém os sintomas e posso ajudar as pessoas a enfrentarem esse problema”, completa. 

Tags: anorexia, comida, doença, internação, Paulista

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.