Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Ciência e Tecnologia

Science: imunoterapia - uma nova arma no combate ao câncer

Método tem como objetivo aproveitar o próprio sistema imunológico para combater a doença

Jornal do Brasil

Em matéria da revista Science nesta semana, foi abordado o tema "guerra contra o câncer" que começou um pouco mais de 40 anos atrás, como um programa nacional de pesquisa para melhorar radicalmente a sobrevida de pacientes com câncer, a principal causa de morte nos Estados Unidos e no mundo. As principais armas implantadas foram cirurgia, radiação e quimioterapia, tratamentos que muitas vezes apresentam riscos ou causam efeitos secundários adversos. Apesar de algumas formas de câncer cederem a estas terapias, nem todas são assim, por isso a mortalidade permanece alta.

Para essa lista agora podemos adicionar uma quarta arma, a imunoterapia do câncer. Construída ao longo de décadas, ela começou a demonstrar tais resultados promissores em pacientes com câncer selecionados em 2013. A escolha de um tema que é clínico na natureza é algo de uma partida para a ciência. Mas acreditamos que 2013 marca um momento significativo na história do câncer, e as conquistas de hoje merecem reconhecimento e celebração, mesmo que as incertezas permanecem. Com mais pessoas agora vivem muito além da idade de 65 anos, a incidência de câncer é projetada para subir muito nos próximos anos. Assim, a população que pode se beneficiar de imunoterapia é potencialmente muito grande.

A matéria fala ainda que a imunoterapia do câncer tem como objetivo aproveitar o próprio sistema imunológico do organismo para combater o câncer. O sucesso de hoje está enraizados no início de pesquisa fundamental no final de 1980 nos laboratórios de James Allison e outros para decifrar os receptores da proteína que colocam freios em células T. Os investigadores do cancro a hipótese de que, se esses receptores podem ser bloqueados, o sistema imunológico pode atacar as células cancerosas. Pelo menos em princípio, estas formas de terapia de base imunitária iriam oferecer duas vantagens sobre outros medicamentos contra o câncer: estas terapias podem ser aplicadas a uma grande variedade de tipos de tumores, e os pacientes não seriam esperados para desenvolver resistência aos mesmos.

Método tem como objetivo aproveitar o próprio sistema imunológico para combater a doença
Método tem como objetivo aproveitar o próprio sistema imunológico para combater a doença

A investigação levou ao desenvolvimento de várias terapias de anticorpos, uma das quais está agora no mercado. Enquanto isso, em outra frente, os investigadores estão pesquisando a engenharia genética de células T para atingir as células tumorais. Apesar de dezenas de ensaios clínicos ainda estarem em andamento, os resultados são animadores: alguns pacientes com estágio final da doença metastática que não responderam a outros tratamentos agressivos estão sobrevivendo por muito mais tempo do que os médicos poderiam prever. Um artigo publicado em julho relatou que entre 52 pessoas com melanoma avançado, os tumores encolheram em 21 dos que receberam a combinação de dois anticorpos. Descobertas mais recentes apresentadas em reuniões sugerem que esta queda está associada à imunoterapia, embora existam muitas incertezas e os efeitos colaterais de alguns dos tratamentos.

A matéria é finalizada informando que certamente temos um longo caminho a percorrer. Alguns pacientes que inicialmente fizeram bem mais viram o progresso do câncer e morreram com ele. Muitas questões permanecem a respeito de porque os outros não respondem a imunoterapia. No longo prazo, há sempre o risco de que a estratégia vai provar decepcionante para qualquer número de razões. As respostas podem não persistir no longo prazo, e os efeitos colaterais inesperados podem tornar-se evidente em um número maior de pacientes que receberem estes novos tratamentos. Os cientistas do laboratório já estão trabalhando arduamente a concepção de novas formas de fazer essas terapias mais eficazes e seguras, como ilustrado em um artigo publicado na revista Science Translational Medicine, na semana passada.

Tags: CÂNCER, certamente, colaterais, inesperada, prazo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.