Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Ciência e Tecnologia

Brasil é destaque em catálogo da Agência Internacional de Energia

Agência Brasil

O Brasil foi um dos destaques da edição deste ano do catálogo World Energy Outlook 2013, publicação anual da Agência Internacional de Energia (AIE), que apresenta perspectivas analíticas sobre tendências nos mercados de energia. De acordo com a diretora executiva da AIE, Maria van der Hoeven, o foco no Brasil se deve ao fato de o país ser candidato a se tornar, nas próximas décadas, um dos grandes exportadores de petróleo e líder mundial na produção de energia.

“Em 2035, o Brasil terá deixado de importar gás e óleo, passando a ser exportador dos dois produtos. O país é uma força emergente na produção de gás e vai estar entre os líderes da exploração de petróleo em água profunda e no desenvolvimento [de fontes energéticas] de baixa emissão de carbono”, destacou Maria durante o lançamento do catálogo.

De acordo com o catálogo, em 2035, a produção de petróleo no Brasil vai triplicar, chegando a 6 milhões de barris por dia, o que corresponde a um terço do crescimento líquido previsto para a produção mundial de petróleo. Com isso, o país alcançará a sexta posição entre os principais produtores. Já a produção de gás natural terá aumentado nesse período em mais de cinco vezes. Em 2030, o país não precisará mais importar o produto.

Ainda segundo o documento, as fontes de energia são "abundantes e diversificadas" no Brasil. Isso sustentará um aumento de 80% do uso de energia. Para dar conta do aumento de consumo previsto pelas necessidades da classe média em expansão e ter sucesso na implementação do projeto de acesso universal à eletricidade – objetivo do Programa Luz para Todos – será necessário investir, em média, US$ 90 bilhões por ano em todo o sistema de energia.

Líder mundial no domínio das energias renováveis, o Brasil “praticamente duplicará” essa produção a partir de fontes renováveis em 2035, mantendo sua quota de 43% na matriz energética nacional. Na projeção da AIE, a espinha dorsal do setor continuará sendo a geração de energia a partir das usinas hidrelétricas, apesar de a dependência dessa fonte tender a declinar “em parte devido ao afastamento e à sensibilidade ambiental de muitos recursos remanescentes, situados principalmente na Amazônia”.

Entre as fontes de geração que mais aumentarão as quotas na matriz energética estão a de energia eólica, que segundo a agência, tem demonstrado competitividade, a de gás natural e a eletricidade gerada pela bioenergia.

Tags: bioenergia, domínio, eletricidade, líder, Mundial

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.