Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Ciência e Tecnologia

Isadora Faber defende tecnologia em sala de aula

Criadora do Diário de Classe fala sobre sua ONG, que ajudará escolas a se incluírem no mundo digital

Porvir

“Minha irmã ganhou bolsa para uma escola particular e eu fui conhecer a escola com ela. Comecei a comparar a minha, que não era pintada e estava cheias de problemas, com a dela, que era direitinha. E pensei: nossa escola não é de graça só porque é pública, nós pagamos impostos. Isso foi a gota d’água para criar a página para reclamar da minha escola”.

Estas foram algumas das primeiras frases da Isadora Faber, a criadora do Diário de Classe, durante palestra no TEDx Unisinos, que foi disponibilizada na última semana. Durante o evento, a jovem de 14 anos apresentou algumas de suas conquistas com a página: 630 mil pessoas mobilizadas no Facebook, apoio da mídia nacional e internacional, mais de 700 mil visualizações e sua escola (quase) novinha em folha.

Todos esses ganhos chamaram a atenção de outros alunos, gestores e professores que desejam melhorar as instituições que estudam ou trabalham. Desde o dia 11 de julho de 2012 – data de lançamento da página –, Faber já recebeu mais de 6.000 solicitações de outras pessoas pedindo dicas de como fazer um trabalho como o dela. Para ajudar toda essa gente, a ideia foi criar a ONG Isadora Faber. “É uma maneira de dar palestras e falar sobre cidadania, que é um assunto pouco discutido nas escolas. A gente quer ajudar essas pessoas porque estão precisando. Educação é um assunto muito sério”, afirmou.

Para apoiar essa turma toda, a ONG vai organizar minicursos com profissionais para criação de vídeos, uso de fotografias, internet e cursos para atualização e aperfeiçoamento para professores. É também objetivo da instituição angariar fundos, por meio de doações, para que escolas de rede pública comprem computadores, notebooks e tablets, além de ajudar essas instituições a entrarem no mundo digital, formando seus professores e guiando as turmas para o acesso à informação.

Faber – que vai lançar um livro no ano que vem sobre os bastidores, os desafios e as conquistas da Diário de Classe, A Verdade – defende a tecnologia em sala de aula. “Eu sou aluna e sei que, com um quadro e negro e um giz, os professores não prendem mais nossa atenção. Tendo um celular, um tablet ou um notebook em casa, é muito mais difícil”, disse a estudante, que depois de sua apresentação respondeu a algumas questões dos espectadores.

Tags: acesso digital, educação on-line, ensino digital, escola digital, tecnologia na escola

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.