Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Ciência e Tecnologia

SimCityEDU chega a escolas norte-americanas

Game permite que alunos desempenhem papel de prefeitos de uma cidade virtual

PorvirCarolina Lenoir

Os benefícios do uso de recursos digitais em sala de aula não são mais uma novidade no universo escolar, mas os professores que apostam na aplicação de games no currículo têm enfrentado um novo desafio. Acostumados em casa a jogos eletrizantes ou que exigem extrema concentração, os alunos demandam um estímulo maior do que o proporcionado por boa parte dos jogos educacionais disponíveis atualmente. Recém-lançado no mercado norte-americano, o SimCityEDU: Pollution Challenge! pretende ser uma resposta a esse cenário. Trata-se do primeiro de uma nova geração de games educacionais criados a partir de elementos dos famosos jogos da franquia SimCity, da Electronic Arts Inc.

Ele funciona como uma ferramenta de ensino e avaliação para os professores do ensino fundamental 2 e permite que os alunos desempenhem o papel de prefeitos de uma cidade virtual e lidem com questões relativas ao impacto ambiental em meio ao progresso econômico e social. Dessa forma, o jogo encoraja os estudantes a pensar de forma crítica sobre os desafios modernos, mas também serve como um indicador importante para os professores quanto ao desenvolvimento de cada aluno em pontos cruciais como interpretação de texto e noções de ciências.

Os jogos SimCityEDU são desenvolvidos no GlassLab, um projeto do Institute of Play – um estúdio de design de jogos dos Estados Unidos, responsável também pela escola gamificada a Quest to Learn – em parceria com outras instituições que reúnem experts em jogos comerciais e educação. A GlassLab tem como um dos principais financiadores a Bill & Melinda Gates Foundation. Atualmente, o jogo só está disponível para compra dentro dos Estados Unidos, mas há a possibilidade de ser traduzido para outros idiomas e distribuídos em outros países.

Entre os professores que fizeram parte dos testes do jogo, o recurso digital parece ter agradado. Cerca de 70 professores e 2 mil alunos utilizaram a versão piloto do game. Algumas das reações dos envolvidos podem ser vistas neste vídeo, em inglês. O Porvir entrevistou Brian Waniewsk, diretor executivo do Institute of Play, para saber mais sobre as possibilidades de aplicação do game em sala de aula e as respostas dos alunos e dos professores à nova ferramenta.

Em quais disciplinas o jogo pode ser melhor aplicado? Quais são as principais habilidades a ser desenvolvidas e de que forma isso é possível?

SimCityEDU: Pollution Challenge! está alinhado a uma série de habilidades e competências, em particular a conceitos como transversalidade e pensamento sistêmico em ciências, à capacidade de identificar evidências em um texto para sustentar conclusões e análises, à proficiência na leitura e na interpretação literária, ao desenvolvimento do pensamento crítico e da solução de problemas, entre outros. O jogo é composto por seis missões diferentes em torno de um amplo tema de impacto ambiental. Conforme os alunos completam as missões, eles têm de resolver problemas, explicar as relações entre sistemas complexos e ler textos informativos e gráficos. Dessa forma, é possível pensá-lo com mais naturalidade no aprendizado de ciências e inglês.

Que exemplos práticos de como um professor pode usar o jogo em sala de aula poderiam ser citados?

Nas salas de aula que receberam o piloto do jogo, vimos alunos assumirem o papel de prefeito em uma cidade simulada e enfrentarem imediatamente os complexos desafios que atormentam muitas cidades modernas, tais como reduzir a poluição ao mesmo tempo em que empregos precisam ser criados. O contexto do mundo real do jogo leva os alunos a estabelecer analogias entre a cidade do jogo e ao desafios enfrentados pelas comunidades reais. Um dos meus exemplos favoritos de uso em uma sala de aula é o de uma professora que aproveitou para desencadear uma conversa sobre o impacto da recente construção de uma fábrica industrial nas proximidades da área residencial em que os alunos vivem.

Os alunos podem ser avaliados a partir dos resultados que alcançam no jogo ou os professores devem usá-lo como uma ferramenta adicional aos métodos mais tradicionais?

O game é tanto uma ferramenta de aprendizado quanto de avaliação. Isso significa que, à medida em que os estudantes vão jogando e aprendendo, seus progressos em relação aos objetivos específicos estão sendo avaliados. Um painel projetado para os professores fornece dados sobre o progresso do aluno, o que permite agir sobre as lacunas de aprendizagem em tempo real. Isso que é realmente único nos jogos que estamos criando na GlassLab. Tomamos como ponto de partida jogos de sucesso comercial, que já atraíram os jovens, e os modificamos a fim de serem poderosos ambientes de aprendizagem, com avaliações perfeitamente integradas. Dessa forma, esperamos proporcionar aos alunos uma experiência envolvente em jogos de nível comercial e aos professores, um feedback em tempo real sobre o que precisam fazer para melhorar o aprendizado da turma.

Para os alunos, em geral, lidar com os jogos é algo que pode ser considerado bastante natural. Mas e em relação aos professores? Eles estão preparados para implementar as ferramentas digitais em sala de aula e serem bons mediadores entre o jogo e o aluno?

O Institute of Play tem trabalhado com os professores ao longo de anos por meio de alguns projetos. Dar a eles o suporte certo para ser bem sucedido é essencial. Para nós, isso é menos sobre fazer com que eles acompanhem a velocidade das ferramentas digitais e mais sobre fornecer o espaço e as habilidades que eles precisam para enfrentar criativamente os desafios que eles encontram em sala de aula. Nós conversamos com centenas de professores no desenvolvimento do SimCityEDU e alguns pontos nevrálgicos surgiram frequentemente. Principalmente, os professores sentiam que, cada vez mais, esperava-se que eles desempenhassem o papel de entertainers, com a obrigação de proporcionar experiências em sala de aula tão envolventes quanto as que os alunos têm fora da escola. É fácil para os professores entenderem como esse tipo de jogo pode ajudá-los a lidar com esse desafio. Além disso, o SimCityEDU: Pollution Challenge! possui diversos materiais de apoio para os professores, como planos de aula. O Institute of Play também oferece ferramentas adicionais, como seminários virtuais semanais e uma comunidade online de professores, hospedada no site do SimCityEdu, em que eles se reúnem e trocam ideias e experiências pedagógicas.

Um professor interessado pode arcar com o custo do jogo sozinho ou é um investimento que deve ser feito por toda a escola?

O game foi pensado para ser usado em uma variedade de ambientes, incluindo até mesmo a casa dos alunos. Ele está disponível para compra em alguns distribuidores norte-americanos em versões de licença distintas, seja individual, para uma escola ou para uma comunidade. O custo médio é de cerca de US$ 4 por aluno, com descontos por volume adquirido.

Tags: aprendizado, gestão política, jogos, lúdico, papel político

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.