Jornal do Brasil

Sábado, 19 de Abril de 2014

Ciência e Tecnologia

Instituto faz novos testes em espuma encontrada no mar de Angra dos Reis

Agência Brasil

Rio de Janeiro - Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), fazem hoje (2) nova vistoria para descobrir a origem da espuma que se acumula nas praias da região entre Angra dos Reis e Paraty, na costa verde fluminense. Dessa vez, a análise será feita na captação de água e no descarte de efluentes das usinas nucleares Angra 1 e Angra 2, pertencentes à Eletrobras/Eletronuclear, que ficam próximas aos locais onde a espuma apareceu, há cerca de dois meses.

"Vamos fazer essa análise nas usinas para termos uma comparação entre essas amostras, apenas com o intuito de confirmar os primeiros exames", disse a presidenta do Inea, Marilene Ramos. Os primeiros testes com amostras da espuma foram feitos na semana passada e os resultados mostraram que a composição é orgânica e não apresenta risco ao meio ambiente.

O presidente da colônia de pescadores de Angra dos Reis, Alexandre de Castro, se queixou que até o momento nenhuma autoridade se reuniu com os pescadores para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. "A espuma é muito densa, e os peixes não circulam nos locais onde ela está concentrada. A renda dos pescadores aqui da região depende única e exclusivamente da pesca, e nós estamos sendo muito prejudicados. Esperamos uma explicação ou justificativa, para entendermos o que está ocorrendo", contou.

A Eletrobrás/Eletronuclear informou em nota publicada em seu site que o fenômeno não tem qualquer relação com as atividades da empresa e que o mesmo fenômeno ocorreu em Mooloolaba, na Costa Leste da Austrália, e em Aberdeen, no Norte da Escócia.

De acordo com a empresa, os estudos do Inea constataram que "se trata de um feito natural, que ocorre praticamente todos os anos também na costa brasileira e que, neste ano, alcançou grandes proporções devido às condições oceanográficas e meteorológicas".

A Eletrobras/Eletronuclear disse que, atualmente, há uma expansão da quantidade de nutrientes no mar que servem de alimento para diversos tipos de microalgas marinhas, provocando uma grande proliferação delas, que se agrupam em massas. Essas massas de microalgas são “quebradas” quando há turbulência das massas d’água, como ocorre nas ressacas. O fenômeno é potencializado por fatores físicos como a turbulência do mar e o vento.

A empresa informou também que, para a refrigeração das usinas Angra 1 e Angra 2, há necessidade de captação de água do mar em Itaorna, que é retornada ao meio ambiente no Saco Piraquara de Fora sem qualquer contato com o sistema radioativo das usinas durante a circulação no sistema.

A estatal estimou que a espuma orgânica vai permanecer na região enquanto permanecerem as condições ambientais, e que não ocorreu nenhuma mudança ou alterações nos processos operativos das usinas, mesmas no período de ocorrência dessa espuma.

Tags: AMBIENTE, poluição, radioativo, Rio, Sistema

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.